Seguradora contempla Corretores com viagem para Barcelona

Seguradora contempla Corretores com viagem para Barcelona


A Zurich segue inovando e valorizando o Corretor que trabalha junto à companhia.
Este ano, a companhia está oferecendo aos corretores parceiros: uma semana inteira em Barcelona. O grupo embarca rumo à Espanha em 2 de abril e retorna ao Brasil na semana seguinte, no dia 9. Márcio Benevides, Head de Distribuição Brasil, ressalta a importância deste evento para reforçar vínculos com os parceiros, estreitar laços e impulsionar novos negócios. “Não há dúvidas de que os corretores desenvolvem papel vital para o desenvolvimento, amadurecimento e evolução do mercado de seguros.”, aponta o executivo. “Propiciar esse encontro por alguns dias é uma forma de valorizar, agradecer, reconhecer e celebrar a próspera parceria”.

A viagem faz parte da Campanha “Vou com a Zurich” que irá apresentar as belezas da cidade espanhola para os Corretores que se destacaram em 2016. Tudo foi cuidadosamente pensado para propiciar uma vivência única aos convidados da Zurich, que desfrutarão de uma semana personalizada repleta de passeios. Entre as atrações, que prometem encantar os corretores, estão visitas a algumas das obras primas do mundialmente famoso arquiteto catalão Antoni Gaudí e aos principais pontos turísticos da cidade, como Museu Picasso, Bairro Gótico e estádio Camp Nou.

Fonte CQCS | Juliana Leite – https://www.cqcs.com.br/noticia/seguradora-contempla-corretores-com-viagem-para-barcelona

Read More
Youse alega que a presença do Corretor encarece o Seguro

Youse alega que a presença do Corretor encarece o Seguro

A Youse ainda desperta polêmica.

Recentemente o Corretor Rogério Rodrigues acessou a plataforma para fazer a simulação de um seguro e usou os dados do seu próprio veículo. No fim do procedimento, para sua surpresa, um atendente da seguradora disse que a Youse oferece um seguro mais barato porque não faz uso do trabalho dos corretores.

“Comentei sobre o valor ofertado por eles que é mais barato, foi quando o atendente justificou o custo, respondendo que eles não trabalham com Corretor”, contou.

Rogério relatou ainda que ficou chateado e surpreso com a forma que o representante da seguradora apresentou a justificativa sobre o valor mais em conta. “Deu a entender, não em termos claros, mas que o responsável pelo custo do seguro é o Corretor”.

Durante o processo, o Corretor alegou que não conseguiu identificar informações importantes como, a cobertura ideal, caso o veículo fosse utilizado para Uber. Percebendo que o site é razoável para quem possui um conhecimento prévio sobre seguros. Mas uma plataforma perigosa para uma pessoa leiga no setor.

Segundo o Corretor, sua intenção ao fazer a simulação era, inicialmente, conhecer o site e seu funcionamento. Mas confirmou que irá continuar visitando a plataforma e fazendo cotações com a Youse. “Vou criar um hábito de ficar fazendo cotações no site. Naturalmente eles terão um custo pela confirmação do seguro e no custo operacional, ao ponto de se tornar inviável esse tipo de negócio”, afirmou.

Rogério acredita que o melhor passo para evitar esse tipo de comentários é realizando uma divulgação e tornar público que não existe vilão no preço. Para ele, o custo do seguro varia conforme muitas questões, como o aumento de roubos e fraudes.

Fonte CQCS | Juliana Leite – https://www.cqcs.com.br/noticia/youse-alega-que-presenca-do-corretor-encarece-o-seguro

Read More
Seguradora aprimora serviço e aproxima segurado de Corretor

Seguradora aprimora serviço e aproxima segurado de Corretor


Foram implantadas melhorias no acompanhamento online do sinistro Auto Fácil do Grupo Bradesco Seguros. A partir de agora terceiros também podem acompanhar o andamento do processo pelo site www.bradescoseguros.com.br, e seguir os passos: clicar em central de sinistro; na aba “seguro auto”; em “acompanhe um sinistro”, depois em “sou terceiro” e se identificar com os números dos avisos de sinistros: primeiro do segurado e depois com o número do seu processo.

Também estão disponíveis para terceiros upload de documentos, acesso ao orçamento, histórico do acompanhamento, relação dos documentos pendentes, dados da oficina e os contatos do despachante.

Enrico Ventura, Diretor Executivo de Auto/RE do Grupo Bradesco Seguros, diz que o Sinistro Auto Fácil permite ao Grupo Segurador aprimorar a qualidade do serviço e aproximá-los (segurado e corretor) ainda mais da marca Bradesco Seguros. “Buscamos melhorias contínuas em serviços que agreguem cada vez mais valor e qualidade, garantindo a satisfação de quem mais importa: o cliente”, explica.

Sobre o Grupo Bradesco Seguros

O Grupo Bradesco Seguros, conglomerado segurador da Organização Bradesco, lidera o mercado de seguros brasileiro, com atuação em âmbito nacional nos segmentos de Seguros, Capitalização e Previdência Complementar Aberta. Em 2016, o Grupo Segurador registrou faturamento de R$ 71,4 bilhões – evolução de 10,5% sobre o ano anterior. Há cerca de uma década, o Grupo Bradesco Seguros vem sustentando crescimento médio anual na casa de dois dígitos, mantendo market share em torno de 25%. Seu volume de provisões técnicas atingiu R$ 223,3 bilhões em d ezembro de 2016.

Fonte CQCS – https://www.cqcs.com.br/noticia/seguradora-aprimora-servico-e-aproxima-segurado-de-corretor

Read More
Mercado de benefícios: Corretor deve ficar atento aos novos modelos de negócios

Mercado de benefícios: Corretor deve ficar atento aos novos modelos de negócios

 


Durante o 9º Congresso dos Corretores de Minas Gerais que aconteceu na cidade de Contagem, Leonardo Freitas, Diretor de Mercado da Bradesco Seguros, chamou atenção dos Corretores para os produtos de Vida e Previdência. Ele lembrou que o país tem quase 10 milhões de consumidores potenciais para vida e previdência.

Além disso, Freitas falou também do mercado de benefícios para PME´s. “O setor de benefícios teve uma evolução considerável e as PME’s podem oferecer benefícios aos funcionários como forma de reter talentos”, destacou. O dirigente falou que o Corretor de Seguros faz o equilíbrio entre os interesses da empresa e os interesses do empregado. “Há novos modelos de negócios e a oportunidade para o Corretor está em entregar ao cliente uma proposta de valor”, afirmou.

Fonte CQCS | Sueli Santos
Fonte https://www.cqcs.com.br/noticia/mercado-de-beneficios-corretor-deve-ficar-atento-aos-novos-modelos-de-negocios

Read More
Projeto de lei multa banco que vender Seguros

Projeto de lei multa banco que vender Seguros

O projeto de lei da senadora Rose de Freitas do PMDB- ES, publicado na Agência Senado no dia 03 de março, revela que incluir consumidores sem autorização em promoções de bancos pode se tornar crime. Conforme a matéria publicada pelo portal, o texto (PLS 33/2017) prevê a proteção dos consumidores contra dívidas causadas por produtos que não foram solicitados.

Para Sergio Ricardo, executivo do mercado de seguros, a prática da “empurrologia” é uma das maiores besteiras comerciais a que uma empresa pode recorrer. “A prática funciona como isca para os desavisados e pouco esclarecidos, literalmente ‘queimando o filme’ das instituições e quase sempre significando um péssimo negócio para o consumidor”.

Segundo o advogado, Gilberto de Jesus, a prática de cobrar de cliente o preço de um seguro sem que o mesmo tenha solicitado é ilegal, proibida pelo Código de Defesa do Consumidor. “É importante criminalizar a conduta. O consumidor que pagou por produto ou serviço não solicitado deve receber o que pagou em dobro, e ainda pode pleitear indenização por danos morais na esfera judicial”.

O consumidor deve estar atento às condições de vendas, e não se deixar levar pelo preço baixo ou comodidade. Conforme Gilberto, a contratação de um seguro deve ser feita através de um Corretor. “Contratar um seguro por banco, sem a orientação de um profissional capacitado é um ato de muita coragem. Todo seguro ofertado deve ter o Corretor”.

Sergio acredita que a iniciativa parlamentar é reflexo da insatisfação do consumidor de seguros e da sociedade. “A única forma de proteção do consumidor é evitar esse tipo de promoção ou, se for atraído por ela, questionar, pedir informações, documentos, contratos ao limite da exaustão”.

O executivo revela ainda a importância de conhecer o produto que está contratando e de ser assessorado pelo Corretor de Seguros. “Seguro é um serviço. Assim, é necessário conhecer as suas características antes de contratar e ter a quem perguntar para tirar dúvida”.

Fonte CQCS | Juliana Leite – https://www.cqcs.com.br/noticia/projeto-de-lei-multa-banco-que-vender-seguros

Read More
Presença do Corretor é imprescindível para as operadoras de telefonia oferecerem seguro

Presença do Corretor é imprescindível para as operadoras de telefonia oferecerem seguro


O estudo realizado em 2016 pela Kantar Worldpanel apontou que nove em cada dez brasileiros já tem um celular. A crescente adesão de smartphones pela população brasileira aumentou a procura por seguros. Em razão desta procura, algumas seguradoras vêm firmando parcerias com operadoras de telefonia, visando facilitar o processo de contratação do serviço.

O advogado e especialista em seguros, Gilberto de Jesus, acredita que é uma tendência do mercado segurador, as seguradoras fecharem parcerias com operadoras. “Acredito que isso se torne ainda mais comum, tendo em vista, que as operadoras possuem um canal de vendas massificado, por conta disto, os serviços e produtos atingem um maior número de pessoas”.

O advogado ressalta ainda que a comercialização de seguros pelas operadoras é possível, desde que, a instituição de varejo mantenha o convênio com as seguradoras e apresente a autorização da SUSEP. “As operadoras podem comercializar seguros, desde que elas tenham um contrato com a seguradora e tenha a assessoria de um Corretor de seguros para prestar toda a assistência técnica às operações”.

Durante a contratação de um seguro, seja ele qual for, é imprescindível a presença de um Corretor de Seguros. “Se a operadora disponibilizar todas as informações ao consumidor não haverá problemas”. O advogado considera ainda que o Corretor possui uma formação específica para prestar esclarecimentos relacionados a sua atividade.

Fonte CQCS | Juliana Leite – https://www.cqcs.com.br/noticia/presenca-do-corretor-e-imprescindivel-para-as-operadoras-de-telefonia-oferecerem-seguro

Read More
Corretor: saiba se vale a pena ter um produtor

Corretor: saiba se vale a pena ter um produtor


No “Pare e Pense” dessa semana, o diretor executivo do CQCS, Gustavo Doria Filho, discute um assunto que é tema recorrente nos grupos de whatsApp administrados pelo CQCS: ter ou não ter produtor?

Doria diz que essa é a dúvida existencial de muitos corretores, mas é preciso levar muitos fatores antes de tomar essa decisão. “Usar o produtor para aumentar volume de prêmio da corretora não vale a pena. O produtor tem de ser alguém que agregue valor que seja uma extensão da sua corretora”, sugere.

Além disso, ele alerta para um fator importante: “o produtor é corretor habilitado? Se não for, pode ter um problema aí”, diz. Doria lembra ainda que para vender seguros é preciso ter formação. “Produtor que não é corretor não garante ao corretor a qualidade na distribuição”, diz. E um outro detalhe que o corretor que decide trabalhar com produtor deve pensar é o aspecto trabalhista: “se você tem alguém vendendo seguro pra você todo dia, você tem um vinculo trabalhista. Ter alguém vendendo pra você é mais sério do que você imagina”, alerta.

Isso para não falar de outros problemas que um produtor pode trazer como uma fraude. O corretor precisa estar atento ao fato de que nesse caso, isso coloca em risco a sua habilitação e reputação. “O corretor deve discutir se vale a pena ter produtor e qual produtor. O ideal um distribuidor que fosse habilitado, cadastrado como preposto ou remunerado com a corretagem e que estivesse alinhado com a filosofia da corretora”, sugere.

Ele lembra ainda que o produtor pode ser um corretor em início de carreira interessado apenas em montar a sua própria corretora. “Se for assim, é preciso combinar antes para que um dia o corretor não se sinta traído porque o produtor sumiu com toda a sua carteira”, alerta.

Assista o vídeo na integra e acesse nosso canal e se inscreva.

Fonte CQCS | Sueli Santos – https://www.cqcs.com.br/noticia/corretor-saiba-se-vale-pena-ter-um-produtor/?utm_source=news-23-03-17&utm_medium=email&utm_campaign=cqcs&utm_source=Newsletter+CQCS&utm_campaign=2e562b61c3-EMAIL_CAMPAIGN_2017_03_23&utm_medium=email&utm_term=0_a1ad0190c1-2e562b61c3-15123961

Read More
Seguros baratos estão em alta

Seguros baratos estão em alta


Alternativas de proteção com mensalidades de até R$ 20 ganham espaço no Brasil. As voltadas para quitar dívidas com escolas, em caso de problemas, têm forte expansão

Diante do encolhimento da renda das famílias, produtos de baixo custo, que têm como apelo a proteção contra o desemprego, ganham força e escapam da crise, surfando na direção contrária. Entre janeiro e junho, o seguro educacional, que tem parcelas entre R$ 10 e R$ 20, em média, e promete quitar a mensalidade escolar em caso de desemprego, cresceu quase 80% frente igual período de 2015. No período, a arrecadação do setor saltou de R$ 12,3 milhões para R$ 22 milhões, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi). O produto atinge de creches ao ensino superior e prevê também outras coberturas, como festa de formatura e até aulas particulares em caso de o estudante adoecer.

As escolas particulares estimam que em Minas Gerais o número de alunos na rede deve encolher entre 4% e 6% em 2017 em razão da crise econômica vivida pelo país. É esse cenário que motiva a contratação dos seguros voltados para a educação. No entanto, a Proteste Associação de Consumidores, alerta que é importante ter cuidado com o bombardeio de ofertas.

Para se proteger, o consumidor deve analisar o peso da parcela em seu orçamento e quais coberturas são de fato relevantes para sua rotina. O coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, também reforça que ler e entender o conteúdo da apólice é o primeiro passo antes de assinar um contrato. E ele reforça que os produtos não devem ser empurrados ou ter a compra forçada. “Entendemos que a venda obrigatória, quando o seguro já vem incluído na mensalidade escolar, é abusiva. Em caso de inadimplência, a escola pode executar o contrato e não obrigar a compra de um seguro, que deve ser de livre escolha e adesão do consumidor”, alerta.

BONS VENTOS

Em Belo Horizonte os seguros de educação estão concentrados nas escolas de maior porte. A sócia-diretora da BHR Corretora de Seguros, Regina Coeli, acredita que o produto tem horizonte favorável para crescer. O valor hoje, de R$ 15 em média, do seguro, segundo ela, pode ficar menor com a massificação e contar a favor da adesão das famílias. Segundo a especialista em seguros, a modalidade é ampla e pode cobrir o pagamento de toda a vida escolar da criança ou a faculdade, no caso de morte do responsável financeiro – que não pode ter mais de 70 anos. “Essa é uma modalidade vantajosa para o consumidor. Existem coberturas mais amplas, que vão além do desemprego, mas o brasileiro ainda não desenvolveu essa cultura.”

A estudante de medicina Mônica Prado, de 27 anos, diz que adquiriu um seguro em sua faculdade para proteção no caso de estágios feitos fora da escola. No entanto, ela não tem mais informações sobre o seguro educacional. Segundo Regina Coeli, ao aderir ao seguro escolar o consumidor deve avaliar a amplitude das coberturas, algumas são reduzidas e cobrem apenas de três a seis mensalidades, em caso de desemprego. Outras são mais amplas e atingem toda a vida escolar.

Há opções como cobertura básica, que abrange somente a série atual que o aluno está cursando. A apólice pode cobrir ainda todo o ciclo escolar ou do primeiro ao último ciclo oferecidos pela instituição de ensino. Não há limite quanto ao prazo de cobertura em caso de morte ou invalidez do responsável financeiro. Na hipótese de perda de renda ou desemprego, a apólice cobre de três a seis mensalidades escolares.

Para que servem?

Seguro para prestações: É contratado quando o consumidor faz um financiamento, empréstimo ou para quitar parcelas de dívidas de cartão de crédito, crediário e cheque especial em caso de desemprego (exceto justa causa), invalidez, incapacidade física ou até mesmo morte. Seguros educacionais: São úteis para quitar a mensalidade escolar da série atual que o aluno está cursando ou ainda todo o ciclo escolar oferecido pela instituição de ensino.

Quando a dívida é quitada? >> No seguro de prestações, a quitação da dívida é total em caso de morte e invalidez permanente. No entanto, em caso de desemprego involuntário, geralmente são quitadas no máximo seis parcelas. E pode haver carência >> No seguro escolar, mensalidades são quitadas em caso de desemprego involuntário e também morte ou invalidez. O número de parcelas vai depender de cada contrato.

O que o seguro não cobre? >> As exclusões mais comuns nesse tipo de produto são o desemprego voluntário, ou seja, caso você peça demissão não terá direito à quitação das parcelas do seguro. >> Também não há cobertura para morte decorrente de doenças preexistentes (de conhecimento do segurado) que não tenham sido declaradas na proposta de adesão; ou para suicídio quando ocorrido dentro dos primeiros dois anos de vigência do seguro. >> Fique atento às carências exigidas, aos prazos e documentos para reivindicar a indenização.

Qual o valor do seguro?

>> Educacional: em média, 1% do valor da mensalidade da escola. >> Prestamista: pode custar menos de R$ 10, mas quando a parcela é maior, geralmente para cada R$ 10 mil, a mensalidade varia entre R$ 40 e R$ 70.

Fonte em.com.br
Fonte https://www.cqcs.com.br/noticia/seguros-baratos-estao-em-alta/?utm_source=news-26-09-16&utm_medium=email&utm_campaign=cqcs

Read More
Monopólio do Corretor de Seguros provoca reflexão e encanta

Monopólio do Corretor de Seguros provoca reflexão e encanta

Uma atenta e participativa plateia coroou de êxito a primeira versão da palestra “O Monopólio do Corretor de Seguros”, que o diretor Executivo do CQCS, Gustavo Doria Filho, apresentou durante a 10ª edição do Ecos, promovida pelo Sincor-PR, na cidade de Cascavel.

Patrocinada pela Bradesco Seguros, a palestra, que é baseada no livro De Zero a Um – o que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício”, de Peter Thiel, cofundador do PayPal e investidor em diversas startups, como o Facebook e o Google, foi muito elogiada pelos Corretores de Seguros presentes, que deixaram o local do evento com ensinamentos que podem se colocados em prática no seu dia a dia profissional.

Foi o caso de Carlos Tiem, profissional de Cascavel, que destacou o fato de Gustavo Doria ser do mercado e conhecer bem os anseios e necessidades do corretor de seguros. “A apresentação foi muito boa. Trouxe ensinamentos relevantes sobre a valorização profissional. Essa motivação é muito importante para todos nós”, destacou.

A mesma sensação de que “valeu a pena” teve o corretor Jurandir Leite. Para ele, a apresentação “foi excepcional” e ajudará muito os profissionais que participaram do evento. Leite destacou, particularmente, o comportamento da plateia. “Todos os presentes ficaram muito atentos. Para nós, foi muito importante a forma como a palestra foi apresentada, com muitas informações sobre assuntos pertinentes neste momento, servindo para que a gente fique de olhos aberto. O envolvimento foi total”, frisou.

O presidente do Sincor-PR, José Antonio de Castro, também gostou do que viu na palestra. Segundo ele, foi compensador a forma como a plateia se comportou. “Houve uma total interação nos aspectos debatidos. O Gustavo Doria mexeu com a plateia e fez pensar sobre o que o corretor deve fazer para evoluir, mudar de atitude e crescer”, acentuou.

O palestrante também ficou satisfeito com o resultado obtido. Para Gustavo Doria, foi muito importante realizar essa palestra para um pblico questionador e participativo. “Creio que deixei uma semente dos pontos principais que podem ajudar na perpetuidade dos Corretores de Seguros, observou Doria.

Na palestra, Gustavo Doria se inspirou na teoria desenvolvida por Peter Thiel por identificar vários pontos em comum com a trajetória do corretor de seguros. “O Corretor é o monopolista da distribuição de seguros, o inventor a distribuição de seguros no Brasil. O Corretor é o responsável por haver toda essa enorme frota segurada no País, quem difundiu o seguro no Brasil foi o corretor de seguros”, frisou o diretor do CQCS.

Para ele, os outros canais que surgem agora, como o canal eletrônico, a venda direta, as lojas de departamento e até os bancos são “replicadores do modelo do corretor de seguros”.

Gustavo Doria acredita que será possível difundir a palestra em 2017. “Espero que muita gente se interesse e que haja muitos convites para muitas praças. Na verdade, o que a gente busca aqui é perpetuar o corretor de seguros como o grande distribuidor de seguros e protetor da sociedade brasileira”, ressaltou.

A Bradesco Seguros patrocina Gustavo Doria neste novo road show, que será levado a várias praças, começando pelo Paraná e, em seguida, o Rio Grande do Sul.

Fonte: CQCS – https://www.cqcs.com.br/noticia/corretores-elogiam-palestra-de-gustavo-doria-filho/?utm_source=news-26-09-16&utm_medium=email&utm_campaign=cqcs

Read More
Corretor deve “blindar” seu relacionamento com o cliente

Corretor deve “blindar” seu relacionamento com o cliente


O maior investimento que o Corretor de Seguros deve fazer é no relacionamento com o cliente. O conselho partiu do presidente da SulAmérica, Gabriel Portella, para quem a categoria deve ficar atenta à ampliação de canais que podem trazer tanto riscos quanto oportunidades, como a internet e a tecnologia. “É fundamental para o Corretor se mostrar como uma referência para o cliente, oferecendo os produtos mais adequados, que possam garantir a fidelização do consumidor”, observou Portella em entrevista exclusiva ao CQCS.

Ele acrescentou que, nesse contexto, “todos os tipos de produtos cabem para fortalecer esse relacionamento”. Daí, a importância dos treinamentos oferecidos pela SulAmérica, que permitem aos seus parceiros aumentar os negócios em ramos que normalmente não operavam. “Essa é a melhor resposta que temos”, frisou o executivo.

O presidente da SulAmérica disse ainda que a companhia manteve, no primeiro semestre, lucro e receita em patamares superiores aos registrados no mesmo período do ano passado.

Ele destacou também que, apesar do momento difícil que a economia brasileira atravessa, a SulAmérica não demitiu, nem desativou investimentos. “Pelo contrário, não nos desesperamos, vimos oportunidades a conquistar e reforçamos nossos planos, preparando a companhia para o momento em que o país vai começar a reagir”, observou.

Para Gabriel Portella, a retomada do crescimento da economia virá “daqui a pouco” e não há razão para mudar o ritmo de atuação da companhia, com uma postura ainda mais cuidadosa e disciplinada. “O Brasil vai voltar a crescer, embora lentamente. Mudanças estruturais precisam ser feitas, mas o País vai se recuperar”, concluiu.

Fonte: CQCS – https://www.cqcs.com.br/noticia/corretor-deve-blindar-seu-relacionamento-com-o-cliente/?utm_source=news-21-09-16&utm_medium=email&utm_campaign=cqcs

Read More
Seguradora lança campanha nacional para Corretores

Seguradora lança campanha nacional para Corretores


Para incentivar os corretores, a Porto Seguro lançou uma campanha para seu produto Residência. Com o tema “Casa com seu Sonho”, os corretores participantes poderão acumular pontos para troca por prêmios, e ao final da campanha, o vencedor de cada região ganhará um prêmio especial, uma viagem. A campanha começou dia 1º de março e vai até o dia até 31 de maio. Os corretores devem fazer o cadastro no site www.casacomseusonho.com.

De acordo com Jarbas Medeiros, superintendente de Ramos Elementares, o objetivo da campanha é incentivar, reconhecer e premiar os corretores que ampliarem os negócios em suas carteiras com o seguro Residencial. “Esse tipo de seguro ainda não é um hábito comum entre os brasileiros, mas tende a se tornar uma tendência entre os proprietários de imóveis que veem como um benefício que vai muito além da proteção dos aparelhos domésticos e cobertura de incêndio. Por isso, acreditamos que o produto possui um grande potencial de vendas”, afirma.

Seguro residencial

Com o objetivo de proporcionar proteção a patrimônios residenciais, a Porto Seguro desenvolveu produtos com coberturas que vão de básicas as mais completas, desde danos elétricos, incêndio e roubo até responsabilidade civil. Os produtos também oferecem vários serviços emergenciais gratuitos. Além disso, os segurados contam com um portal de benefícios, o Clube Porto Seguro (www.clubeportoseguro.com.br) para descontos em diversas lojas, restaurantes, cinemas e teatros.

Fonte: CQCS
Fonte http://www.cqcs.com.br/noticia/seguradora-lanca-campanha-nacional-para-corretores/?utm_source=news-08-03-16&utm_medium=email&utm_campaign=cqcs

Read More
RJ – Corretores desenvolvem produtos de microsseguros em regiões carentes do Rio

RJ – Corretores desenvolvem produtos de microsseguros em regiões carentes do Rio

A MMasullo Corretagem de Seguros, ligada ao escritório Senra Associados, desenvolveu dois produtos específicos para moradores de comunidades carentes na cidade do Rio de Janeiro.

O primeiro deles é um seguro de vida com prêmios a partir de R$ 4,00 e coberturas que podem chegar a R$ 100.000. O outro produto é o seguro funeral “Apoio Familiar”. Também neste caso os diferenciais começam pelo preço do produto: para uma cobertura de R$ 2,5 mil, o segurado paga apenas R$ 1,22.

Há opções para todos os gostos, com prêmios de até R$ 116,33, dependendo da escolha do cliente, que pode optar também por coberturas adicionais como cesta básica para a família, no caso de morte do segurado principal; e reembolsos para a compra de jazido e repatriamento de corpo.

O diretor executivo da MMasullo, Marco Masullo, lembra que o mercado de microsseguros está em plena expansão e que sairá na frente da concorrência quem souber trabalhar com produtos de baixo custo, voltados para as demandas das comunidades mais carentes, que necessitam proteger seus bens mais preciosos com Vida e Saúde.

Com longa experiência adquirido nos 16 anos em que foi funcionário do Banco do Brasil, sendo um dos responsáveis pela organização da carteira da agência em que trabalhava, Masullo desenvolveu um interesse especial pelo ramo de benefícios. Tanto que decidiu fazer o curso da Escola Nacional de Seguros logo que se desligou do banco, em 1995, para seguir carreira no mercado de seguros.

Há nove anos, ele trabalha em parceria com o escritório Senra Associados, onde ganhou a confiança necessária para desenvolver sua própria empresa e abraçar, sob a orientação de Antônio Senra, o mercado de saúde e vida.

Para concretizar esse projeto, Marco Masullo uniu-se a Fabio Malizia, especialista em seguro vida e saúde e ex-consultor da Bradesco Seguros, nas áreas de Vida e Saúde.

Dessa união, surgiu o projeto de desenvolvimento de atendimento no mercado de microsseguros, além de produtos voltados para a proteção da saúde de pessoas e funcionários e dirigentes de pequenas e médias empresas, além de seguros de vida e funeral, com foco direcionado para a população de baixa renda. “A ideia era levar benefícios adequados para essas pessoas. Mas, como desenhar um produto que fosse aceito e que tivesse um custo viável para esse público?”.

A resposta surgiu a partir de parcerias firmadas com lideranças comunitárias. “Quando temos o respeito e reconhecimento de personalidades importantes na comunidade, abrimos espaço para chegar na população. São pais e mães de família que precisam de um seguro de Vida adequado, pequenos comerciantes que precisam segurar estabelecimentos e mercadorias, entre outras necessidades dessa população. Ter alguém que conheça essa realidade é muito importante para chegarmos a eles”, diz o executivo.

Sobre Senra & Associados Assessoria de Seguros: Senra & Associados iniciou pioneiramente as suas operações com o mercado segurador em setembro de 1987. A empresa completou 26 anos em setembro e para marcar a sua nova fase que irá perseguir a qualidade total no atendimento ofereceu vários treinamentos com consultoria especializada para os seus funcionários, inspetores e corretores, através de palestras técnicas sobre vendas, desenvolvimento de negócios e liderança. Iniciou também um trabalho de comunicação para dar visibilidade às suas atividades e de sua equipe e dar transparência às suas ações. A empresa possui parceria com sete seguradoras (SulAmérica, Bradesco, Tokio Marine, Porto Seguro, Itaú, Marítima e Azul) e cerca de 300 corretores em atividade.

 

Fonte http://www.segs.com.br/ – VANIA ABSALÃO

Read More
Susep multa 15 entidades que vendiam seguro irregular

Valores somados chegam a R$ 331 milhões

A Superintendência de Seguros Privados (Susep), em reunião do Conselho Direto, confirmou a representação contra 15 associações e cooperativas que comercializavam seguros de forma irregular. Com esta decisão, a autarquia manteve as multas a estas entidades que, somadas, chegam R$ 331 milhões.

A maioria dos processos abertos contras a entidades atingidas pela representação foi aberta a o partir de 2011, quando a Susep iniciou efetivo combate ao mercado marginal de seguros. O superintendente da Susep, Luciano Portal Santanna, criou, no âmbito da Diretoria de Fiscalização, uma força-tarefa com fiscais dedicados exclusivamente a este trabalho.

Desde então, a Susep identificou a existência de 300 associações e cooperativas que atuam de forma ilegal no Brasil. A maioria dessas entidades são oriundas do Estado de Minas Gerais. Atuando conjuntamente com a Polícia Federal e o Ministério Público, a Susep vem conseguindo impedir que essas entidades continuem em atividade. Em 2012, durante a Operação Prêmio, realizada em Pernambuco, foram fechadas 10 entidades desse tipo, resultando na prisão de 11 pessoas.

A maior multa aplicada foi contra a União Nacional dos Proprietários de Veículos Automotores (Union), cujo valor chegou a R$ 238,9 milhões. O valor da multa é calculado tendo em vista o quantitativo de associados, somado ao valor da média dos valores dos bens segurados pela entidade. No caso da Union, que se dedicava a proteção veicular, havia oito mil associados, sendo que o valor da IS média da frota do Espírito Santo, estado de origem da associação, é de R$ 29,8 mil.

Além da Union, também foram multadas a Cooperativa Shopping Norte de Transporte, Portal do Tempus Assistência Familiar, Associação dos Servidores do Corpo de Bombeiros e Policiais do Estado de Minas Gerais (Ascobom), Associação Brasileira de Proteção e Amparo aos Proprietários de Veículos Leves, Pesados e Motocicletas (Clube Brasil), Associação Pentecostal do Brasil (Aspem/Brasil), Total Flex Proteção Veicular, Associação dos Proprietários de Veículos, Associação Nacional de Proteção Veicular (Asprovel), Associação de Proteção das Empresas de Trasnporte de Carga, Associação de Proteção e Benefícios aos Transportadores de Cargas (Asatruck), Cooperativa de Comunicação e Apoio Social dos Condutores Autônomos da Grande Belo Horizonte, Associação dos Amigos Proprietários de Veículos Automotores (Amive), Shalom Associação de Proteção Veicular e Associação de Proteção ao Veículo Automotor de Minas Gerais (Apoio Car).

Fonte Susep
Fonte http://www.cqcs.com.br/

Read More
Quando o corretor precisa pagar o imposto duplicado

A Circular 447/12*, divulgada pela Susep vem gerando algumas dúvidas nos corretores de seguros. Uma delas é: o corretor pessoa física e pessoa jurídica precisam pagar um Imposto Sindical duplicado para receber as comissões? A resposta é sim.

Ao estar cadastrado em uma seguradora X, como pessoa física, e em uma seguradora Y, como pessoa jurídica, o profissional precisa comprovar o recolhimento do Imposto nas duas situações

De acordo com a Fenacor, o pagamento da Contribuição Sindical não tem nenhuma relação jurídica com o cadastramento do corretor de seguros em sociedades seguradoras, de capitalização ou entidades de previdência complementar para as quais opera ou tenha algum tipo de relação comercial.

“A obrigatoriedade do pagamento de tal contribuição está prevista no art. 580 e seguintes, da CLT”. A assessoria explica, que segundo o artigo 580, da CLT, quando os agentes ou trabalhadores autônomos e os profissionais liberais estiverem organizados em firma ou empresa, com capital social registrado, recolherão a contribuição sindical, de acordo com a tabela progressiva a que se refere o item II, do mesmo artigo.

“Essa hipótese, no caso, se aplica adequadamente aos corretores de seguros, trabalhadores autônomos, quando reunidos na forma societária, em firma ou empresa”, conclui.

Vale ressaltar que para realizar o pagamento do tributo, o corretor pessoa jurídica precisa ir ao sindicato de seu estado para imprimir a guia de recolhimento e efetuar o pagamento até o dia 31 de janeiro, e o corretor pessoa física até 28 de fevereiro.

Fonte CQCS – Crislaine Cambuí

Read More
8 dicas para poupar nos seus seguros

O início do ano coincide muitas vezes com a renovação de algumas apólices de seguros. Para evitar duplicações e conseguir reduzir a fatura a pagar, a seguradora Zurich apresenta oito sugestões para conseguir poupar com os seguros.

1. Reunir os seguros automóvel, casa, vida e saúde na mesma companhia de seguros. A maioria das seguradoras oferece condições mais vantajosas aos clientes com várias apólices. É uma forma de premiarem a fidelização dos clientes;

2. Analisar as coberturas que precisa e comparar a oferta. Irá começar, desde logo, a poupar se apenas contratar o que precisa, eliminando o que considera supérfluo. Anualmente reveja as coberturas e confirme se é necessário acrescentar ou eliminar alguma;

3. Seguro de acidentes pessoais poderá ser utilizado em vez do seguro de viagens e, em alguns casos, do seguro de saúde. A versatilidade do seguro de acidentes pessoais permite que este seja acionado em qualquer parte do mundo, cobrindo despesas de tratamento, acidentes rodoviários, incapacidade temporária (a Zurich, por exemplo paga até 360 dias de internamento sem franquias), cuidados intensivos e convalescença ou perda de bagagens;

4. Pagar viagens com cartão de crédito. Se utilizar cartão de crédito para pagar uma viagem já tem um seguro de viagem contratado. Confirme apenas quais são as coberturas concretas que já estão cobertas e se é necessária contratar mais alguma;

5. Tomar uma decisão informada. Antes de subscrever um produto é importante saber o que pretende e familiarizar-se com expressões como coberturas, exclusões, franquias, períodos de carência, limites de capital. Desta forma, poderá avaliar se está a contratar o que é obrigatório por lei e o que precisa ou se estará a pagar por coberturas que não utiliza;

6. Constituir uma poupança mensal fixa. Dentro das possibilidades de cada um, poupar uma quantia fixa por mês irá permitir constituir uma poupança anual, que poderá ser destinada à reforma, a uma viagem, ou à educação, de acordo com as prioridades de cada um. Os dados da Associação Portuguesa de Seguradores confirmam que as contribuições para produtos de poupança dos seguradores cresceram 61% no primeiro semestre deste ano e 70% no que diz respeito aos PPR;

7. Pagar apólice anualmente por débito direto. Em geral, as seguradoras oferecem condições mais favoráveis aos clientes que optam por fazer o pagamento por débito direto, pois desta forma, asseguram o pagamento de forma mais eficaz. A opção pelo pagamento anual também garante, habitualmente, condições mais benéficas para o cliente;

8. Consultar um mediador profissional de seguros. Procurar um mediador de seguros é uma forma de poupar com os seguros, já que permite que um especialista analise especificamente as suas necessidades de proteção. Geralmente, as condições financeiras propostas também são mais favoráveis.

Fonte Dinheiro Vivo
Fonte http://www.cqcs.com.br/

Read More
Desmistificando a Contribuição Sindical

Tenho observado e acompanhado vários comentários dos colegas e amigos profissionais corretores de seguros a respeito do conflito de interpretações a respeito do tão propalado assunto Contribuição Sindical e Contribuição Associativa Sindical.

Vejamos alguns comentários que selecionei para iniciar este meu trabalho:

A Contribuição Sindical é obrigatória?

Não sou sindicalizado, devo pagar a Contribuição Sindical?

Qual o papel da SUSEP diante do não pagamento da contribuição sindical?

Por que a minha comissão ficará retida pela Cia. Seguradora?

É facultado a Cia. Segurada suspender o pagamento da minha comissão?

Qual a destinação da Contribuição Sindical? … etc

Sempre digo o seguinte: em primeiro plano, devemos avaliar, interpretar e distinguir os conceitos de Contribuição Associativa Sindical para em seguida, debater a respeito da obrigatoriedade da Contribuição Sindical.

Da Contribuição Associativa Sindical: Vejamos a natureza e a base legal da Contribuição Associativa Sindical. Cobrada anualmente é tida como sendo a contribuição que o associado paga ao seu sindicato por força do próprio ato de associação (lembrando que esse ato é Facultativo).

A natureza da Contribuição Associativa Sindical é devida exclusivamente pelos seus associados e os valores são estabelecidos em Assembleia Geral. São dois os requisitos básicos para a cobrança da Contribuição Associativa Sindical: a filiação sindical, que é facultativa; e a previsão estatutária.

Desta forma, uma vez que o profissional corretor de seguros e/ou a empresa corretora de seguros se filia ao sindicato, adere automaticamente às normas estatutárias, devendo contribuir com a anuidade que estiver estipulada, conforme aprovado em Assembleia Geral.

O embasamento legal da Contribuição Associativa Sindical é o contido na a alínea “b”, do Art. 548 da CLT. “Art. 548 – Constituem o patrimônio das associações sindicais:

a) …….

b) as contribuições dos associados, na forma estabelecida nos estatutos ou pelas assembleias gerais”.

Da Contribuição Sindical: Em seguida, acreditando ter esclarecido a adesão facultativa do profissional corretor de seguros e/ou da empresa corretora de seguros ao sindicato de sua categoria, passo a comentar a respeito da obrigatoriedade do pagamento da Contribuição Sindical, que é devida por toda a categoria econômica.

Diante de pesquisas realizadas junto ao Supremo Tribunal Federal – STF pude concluir que toda empresa que integra uma categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal é Contribuinte da Contribuição Sindical. E, neste momento, não falo exclusivamente do profissional corretor de seguros ou da empresa corretora de seguros, associada ou não ao sindicato de sua categoria. A obrigatoriedade é para todos. Com referência a atividade de corretagem de seguros permita-me transcrever uma vez mais, para conhecimento dos colegas e amigos, o que a Legislação determina: Lei 4.594/64 Art.5º: O Corretor, seja Pessoa Física ou Jurídica, antes de entrar na profissão deverá: b)- Estar quites com o Imposto Sindical; CLT- Consolidação das Leis do Trabalho Capitulo III – Da Contribuição Sindical Seção I – Da fixação e do Recolhimento da Contribuição Sindical Art.578 – As contribuições devidas aos Sindicatos pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais apresentadas pelas referidas entidades serão, sob a denominação de “Contribuição Sindical”, pagas, recolhidas e aplicadas na forma estabelecida neste capitulo; Art.579 – A contribuição Sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do Sindicato Representativo da mesma categoria ou profissão ou, inexistindo este, na conformidade com o art. 591; Art.583 – § 2º – O comprovante de depósito da contribuição sindical será remetido ao respectivo sindicato; na falta deste, a correspondente entidade sindical de grau superior e se for o caso ao Ministério do Trabalho – Redação da Lei 6.386 de 09/12/76 – V.Portaria MTB 3.233 de 29/12/83-(GRCS); Art.584 – Servirá de base para o pagamento da contribuição sindical, pelos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais, a lista de contribuintes organizadas pelos respectivos Sindicatos, e na falta destes, pelas Federações ou Confederações coordenadoras da categoria; Art.589 – Da importância da arrecadação sindical serão feitos os seguintes créditos pela Caixa Econômica Federal, na forma das instruções expedidas pelo Ministério do Trabalho: 5% Para a Confederação / 15% para a Federação / 60% para o Sindicato / 20% para a conta especial Emprego e Salário. Podemos então concluir que a Circular SUSEP 447 de 09 de agosto de 2012, vem apenas ratificar o contido no artigo 5° da Lei 4.594/64, Lei que regula a profissão de corretor de Seguros, alertando as empresas que atuam nos mercados de seguros, capitalização, previdência complementar aberta e resseguros quanto à exigência da comprovação do recolhimento da contribuição ou imposto sindical por parte dos profissionais corretores de seguros e das empresas corretoras de seguros. Podemos destacar também, que na mencionada Circular SUSEP 447 não existe a criação de um fato novo e, sim, um alerta quanto à exigência do cumprimento do artigo 5° da Lei 4.594/64. Para reflexão e melhor entendimento, devemos entender que o descumprimento do artigo 5° da Lei 4.594/64 por parte das empresas que atuam nos mercados de seguros, capitalização, previdência complementar aberta e resseguros, poderá provocar ação de fiscalização por parte da SUSEP e possível aplicabilidade de penalidades administrativas e/ou pecuniárias. Fonte Dorival Alves – Presidente do Sincor-DF Fonte http://www.cqcs.com.br[/text_dd]

Read More
Funcionário de corretora é autorizado a fechar contrato?

Foi veiculado através da área Debate Seguro do CQCS, um questionamento sobre o exercício de fechamento de contrato por funcionários de corretoras de seguros, sem a devida regularidade pela Susep. Neste sentido a comunidade foi em busca da opinião de quem entende do assunto: os corretores de seguros. E os mesmos não foram de acordo com a atividade.

Para o corretor Flávio Antonio Mueller da Muller Corretora de Seguros, essa prática é ilegal. “O corretor de seguros é habilitado para exercer a profissão. A habilitação é intransferível. Portanto se existe essa prática, ela está totalmente fora da legalidade”, afirma. E completa, “funcionário pode atender, mas não pode fechar seguro”.

O corretor Rodrigo Dill da Proterisk Corretora de Seguros compartilhou da opinião e completou, “é importante que todos aqueles que trabalham em corretoras, entendam sobre seguro, por isso é importante obter uma certificação técnica. Porém todos aqueles que fecham o contrato de seguro necessitam do registro da Susep, pois só assim o contrato terá validade jurídica”, conclui.

De acordo com a Lei 4594/64 que regulamenta a profissão do corretor de seguros no 2º Art., o exercício da profissão de corretor de seguros depende da prévia obtenção do título de habilitação, o qual é concedido pelo Departamento Nacional de Seguros Privados e Capitalização.

Para saber mais sobre a Lei que regula a profissão do corretor de seguros, acesse: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4594.htm

Fonte CQCS – Irani Nogueira

Read More
Corretor não associado ao Sincor é obrigado a pagar a contribuição Sindical?

Os corretores de seguros independente de estarem ou não associados ao Sincor tem que pagar a Contribuição Sindical. Como explica a Fenacor através de sua assessoria.

“Não existe diferenciação ao fato do corretor de seguros estar ou não associado ao Sincor de sua base territorial. A Contribuição Sindical tem natureza jurídica de tributo, haja vista que 20% (vinte por cento) de sua arrecadação é destinada ao Governo Federal, no caso Ministério do Trabalho e Emprego, além de integrar os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)”, ressalta.

Para realizar o pagamento do tributo, o corretor pessoa jurídica precisa ir ao sindicato de seu estado para imprimir a guia de recolhimento e efetuar o pagamento até o dia 31 de janeiro, e o corretor pessoa física até 28 de fevereiro, como afirma o presidente do Sincor-DF, Dorival Alves.

“O pagamento pode ser efetuado em qualquer agência bancária”, acrescenta. Porém, vale destacar que o pagamento das Contribuições Sindicais em atraso, será feito somente nas Agências da Caixa Econômica Federal.

Atitude vantajosa

Segundo a Fenacor, a vantagem de estar em dias com a contribuição está evidenciada nos dispositivos da CLT, haja vista que 80% (oitenta por cento) da arrecadação da Contribuição Sindical são destinados ao custeio do sistema confederativo da categoria representada.

“Além dos vários benefícios oferecidos pelos Sincor’s, estes representam os interesses individuais e coletivos dos corretores de seguros, além de outras atividades finalísticas contidas em Estatuto Social”, completa.

Fonte CQCS – Crislaine Cambuí

Read More
Seguradora pode ficar isenta de pagar indenização para motorista alcoolizado

Já se encontra em caráter conclusivo e deve passar pelas comissões de Finanças e Tributação, de Constituição e Justiça, bem como de Cidadania, o Projeto de Lei 5.764/13, do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO). De acordo com a proposta, as seguradoras ficarão isentas de indenizar segurados que estejam embriagados e causem acidentes de trânsito.

O Projeto também veda a indenização do seguro para pessoas com comprovada alteração da capacidade psicomotora em virtude do uso de drogas.

Segundo a Agência Câmara, a cláusula limitadora será incluída nos contratos de seguros de automóveis, mas não alcança as coberturas de responsabilidade civil, ou seja, relacionadas com danos a terceiros.

Para comprovação de alteração da capacidade psicomotora, o Projeto vai considerar vídeos, testes, exame clínico, perícia ou qualquer outro procedimento disciplinado pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Na avaliação de deputado Sandro Mabel, o objetivo é “induzir nossos motoristas a um comportamento mais humano no trânsito, punindo aqueles que, alcoolizados, venham a provocar acidentes, na medida em que os impede, se flagrados nessa situação, de se beneficiarem de indenizações contratadas junto à seguradora”.

Fonte CQCS – Pedro Duarte

Read More
Corretor poderá ter comissão retida

Os corretores de seguros (pessoas físicas e jurídicas) que não estiverem em dia com o recolhimento do Imposto Sindical terão suas comissões de corretagem retidas pelas seguradoras até a regularização da pendência.

Com datas de pagamento estabelecidas para 31 de janeiro e 28 de fevereiro, para pessoa jurídica e física, respectivamente, o corretor que não fizer sua contribuição poderá ter problemas na produção e colocação de seguros junto à seguradora ou seguradoras com as quais trabalha, como explica a Fenacor através de sua assessoria.

“A Circular SUSEP nº 447/12, estabelece que as empresas que atuam nos mercados de seguros, capitalização e previdência complementar aberta e resseguros, deverão exigir a comprovação do recolhimento da contribuição sindical, antigo imposto sindical, que é compulsória”, destaca.

Vale ressaltar, que qualquer pendência em relação ao não pagamento da Contribuição Sindical, nos prazos legais, o corretor de seguros deverá providenciar primeiro o adimplemento da obrigação e depois regularizar sua situação junto às empresas para as quais opera, “visando o restabelecimento da colocação de sua produção”, afirma a entidade.

Fonte CQCS – Crislaine Cambuí

Read More