Pagando juros altos, consumidor tem acesso a empréstimo até sete vezes maior que o salário

Pagando juros altos, consumidor tem acesso a empréstimo até sete vezes maior que o salário

juros

Levantamento da Proteste Associação de Consumidores alerta que instituições financeiras têm oferecido crédito de forma desenfreada, o que pode levar a dívidas impagáveis

As linhas de crédito mais caras do mercado, o cartão de crédito e cheque especial são as de mais fácil acesso ao consumidor, apesar dos juros, ultrapassarem 400% ao ano, no caso do cartão. Pesquisa da Proteste Associação de Consumidores, alerta que o crédito caro e emergencial está sendo concedido de forma desenfreada. Segundo a Proteste conseguir no mercado empréstimos em várias instituições bancárias é fácil e pode tornar uma dívida impagável. O valor do empréstimo pode ser até oito vezes maior que o a renda mensal do consumidor.

Levantamento da instituição avaliou três perfis reais de consumidores com renda entre R$ 3 mil e R$ 10 mil. No caso do consumidor com renda de aproximadamente R$ 10 mil foi constado conta corrente em sete bancos, o que lhe garantiu crédito total aprovado de mais de R$ 213 mil. Desse valor, R$ 76 mil podem ser usados em um único mês. “Basta gastar o limite de todos os cartões de crédito e usar o cheque especial de todos os bancos”, explica a Proteste.

No modelo de empréstimo avaliado, o valor do empréstimo precisa ser pago integralmente no mês seguinte para evitar juros de atraso e rotativo, por exemplo. “Sendo a dívida quase oito vezes maior do que o salário, é praticamente impossível pagá-la. É aí que a dívida vai se tornar impagável, principalmente diante do aumento do desemprego, queda da renda e persistência da inflação”, reforça a instituição.

Em outro caso avaliado pela Proteste, o consumidor possui uma renda entre R$ 3 mil e R$ 5 mil, levamos em consideração que a renda é desse consumidor é de R$ 4 mil e só o banco Itaú disponibiliza para ele R$ 32 mil, entre cartão de crédito, cheque especial e crédito pré-aprovado. O crédito é oito vezes superior à renda.

“O crédito pré-aprovado já está na conta, não precisa de autorização, e o consumidor acaba sendo fisgado pela facilidade e se enrola facilmente”, afirma Renata Pedro, técnica da Proteste . Mas não é só dos bancos a responsabilidade de se evitar os altos níveis de endividamento. “Os bancos precisam oferecer crédito consciente, mas também é dever do consumidor ter um orçamento equilibrado e não gastar mais do que deve”, destaca Renata.

Para evitar a bola de neve a Proteste orienta a nunca ultrapassar 30% da renda mensal com parcelas; pagar o total da fatura do cartão de crédito até a data do vencimento;

rever os gastos e fazer cortes quando necessário; evitar fazer compras que não são urgentes; e nunca gastar mais do que se tem. Para isto é importante fazer planejamento mensal se possível com auxílio de uma planilha.

Fonte http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/09/20/internas_economia,805994/pagando-juros-altos-consumidor-tem-acesso-a-emprestimo-ate-sete-vezes.shtml

Read More
Programa “Porteiro Amigo do Idoso”, do Grupo Bradesco Seguros, inicia 100ª turma

Programa “Porteiro Amigo do Idoso”, do Grupo Bradesco Seguros, inicia 100ª turma

Iniciativa pioneira, que já capacitou mais de 2 mil profissionais de portaria, chega esta semana a Santos

Começou hoje, na cidade de São Paulo, a 100ª turma do programa “Porteiro Amigo do Idoso”, iniciativa pioneira do Grupo Bradesco Seguros que visa a capacitar profissionais de portaria a oferecer soluções e cuidados adequados às necessidades de moradores idosos. Com metodologia de ensino desenvolvida pelo Senac RJ, as aulas – inteiramente gratuitas – serão realizadas no bairro República, na sede da corretora Vila Velha. Ainda nesta terça, o município de Santos – cuja população de idosos equivale a 19% do total, segundo o IBGE – recebe a primeira turma do programa. Ambas as turmas acontecem nos dias 20, 21 e 22 de setembro.

Criado em 2010, a partir de pesquisa realizada pelo Grupo Bradesco Seguros com cidadãos longevos do bairro de Copacabana, que apontou o porteiro como o “melhor amigo do idoso”, o programa “Porteiro Amigo do Idoso” está presente nos principais centros urbanos dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, somando mais de 2 mil profissionais capacitados. Na capital paulista, já foram capacitados cerca de 500 porteiros e 750 no estado, incluindo as cidades de Campinas, Ribeirão Preto e Santo André.

A metodologia de ensino inclui uma vivência para que os alunos aprendam a se colocar no lugar dos idosos. Óculos para dificultar a visão, pesos nos pés e aparelho auricular, entre outros artifícios, são utilizados de forma que os porteiros sintam as limitações da idade e reflitam sobre as dificuldades enfrentadas pelos mais velhos. Para participar do programa, o porteiro deve estar autorizado pelo síndico.

De acordo com o último censo demográfico divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, a população de idosos no Brasil (65 anos ou mais) era de aproximadamente 20 milhões de indivíduos, equivalente a cerca de 10% do total. Até 2050, a estimativa é que esse universo triplique, o que significa que, para cada grupo de dez pessoas, três serão idosas.

São Paulo

Lançado há seis anos em Copacabana, no Rio de Janeiro, o programa chegou, dois anos mais tarde, ao bairro de Higienópolis, em São Paulo. Em 2015, o programa foi expandido para o interior paulista, Minas Gerais – em Belo Horizonte e Betim – e Espírito Santo, nas cidades de Vitória e Vila Velha. Este ano, além de Ribeirão Preto, o interior do estado inclui, pela primeira vez, a cidade de Santos, que receberá três turmas entre setembro e novembro.

— Com a extensão das aulas a novos bairros e cidades, o programa “Porteiro Amigo do Idoso” passa a atingir os principais centros urbanos da Região Sudeste, colaborando para que os porteiros se tornem ainda mais amigos dos idosos e possam entender o processo de envelhecimento em todos os seus aspectos — explica Eugênio Velasques, Diretor do Grupo Bradesco Seguros.

O programafaz parte de uma série de ações desenvolvidas pelo Grupo Bradesco Seguros com o objetivo de difundir a importância da prática regular de exercícios físicos, adoção de hábitos saudáveis e difusão de conhecimento sobre envelhecimento ativo, como pilares para a conquista da longevidade com saúde, qualidade de vida e bem-estar.

O “Porteiro Amigo do Idoso” foi desenvolvido pelo Grupo Bradesco Seguros, sob a orientação do médico e pesquisador em saúde pública Alexandre Kalache, conselheiro sênior sobre Envelhecimento Global da Academia de Medicina de Nova York (The New York Academy of Medicine) e ex-coordenador de programas de envelhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS). Considerado uma das maiores autoridades internacionais em gerontologia, Kalache é consultor do Grupo Segurador para questões relacionadas à longevidade.

Pesquisa realizada pelo Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS) com os participantes do curso revelou que 86% tiveram suas expectativas superadas, 92% avaliaram o programa “Porteiro Amigo do Idoso” como ótimo e 92% o recomendariam a outros profissionais.

Fonte http://jrscomunicacao.com/2016/09/21/programa-porteiro-amigo-do-idoso-do-grupo-bradesco-seguros-inicia-100a-turma/

Read More
PR – Banco do Brasil é condenado a pagar R$ 34,4 mil por descontar dinheiro de cliente

Banco do Brasil é condenado a pagar R$ 34,4 mil por descontar dinheiro de cliente

Agência Banco do Brasil

Justiça determinou o pagamento de indenização material de R$ 22.150,00, além de R$ 2.250,00 relativos a alugueis de carro e R$ 10 mil por danos morais

Na contestação, a instituição bancária sustentou ser legal a cobrança de tarifas acumuladas no período que a conta ficou inativa
O Banco do Brasil foi condenado a pagar R$ 34,4 mil por descontar ilegalmente tarifa de conta corrente inativa de um empresário de Cascavel, no Ceará. Em 2012, o cliente havia contratado um seguro para veículo e, para efetuar o pagamento das parcelas, ativou uma conta corrente no Banco do Brasil, que estava desativada há dois anos. No momento da ativação, ele foi informado de que não existia débito vinculado à conta.

Antes do vencimento da primeira parcela, o empresário fez o depósito do valor. Alguns dias depois, precisando dos serviços da seguradora, ele teve seu pedido negado por falta de pagamento. O valor que havia sido depositado na conta foi debitado pelo banco para pagar tarifas bancárias referentes aos períodos de inatividade da conta. O cliente requereu indenização moral e material.

Para o juiz auxiliar que decidiu a causa, Magno Rocha Thé Mota, da 1ª Vara da Comarca de Cascavel, “a não utilização da conta corrente não pode ensejar a cobrança de tarifa de manutenção, até em razão da não prestação efetiva de nenhum serviço pela instituição financeira que lastreasse a taxação, independentemente de pedido formal de cancelamento”.

Na contestação, a instituição bancária sustentou ser legal a cobrança de tarifas acumuladas no período que a conta ficou inativa. Em função disso, requereu a improcedência da ação. Ao julgar o caso, o magistrado determinou o pagamento de indenização material de R$ 22.150,00, referentes ao valor do veículo, além de R$ 2.250,00 relativos a alugueis de carro. Terá de pagar ainda R$ 10 mil a título de danos morais.

Fonte http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/online/banco-do-brasil-e-condenado-a-pagar-r-34-4-mil-por-descontar-dinheiro-de-cliente-1.1620330

Read More
Itaú Unibanco vende área de seguros de vida em grupo para Prudential

Itaú Unibanco vende área de seguros de vida em grupo para Prudential

itau-unibanco
Operação teve prêmios líquidos de cerca de R$ 465 milhões em 2015.

Banco havia reduzido expectativa de crescimento de receitas com ramo.

O Itaú Unibanco anunciou nesta segunda-feira (19) a venda da totalidade de suas operações com seguro de vida em grupo para a subsidiária brasileira da Prudential, em um negócio que não teve valor revelado.
O maior banco privado do país informou que a venda dos negócios de seguro de vida em grupo não terá impacto contábil relevante nos resultados do grupo em 2016.
A operação de seguros de vida em grupo do Itaú Unibanco teve prêmios líquidos de cerca de R$ 465 milhões em 2015 e mais de 1,9 milhão de vidas seguradas.
“A alienação dessa operação reitera a estratégia do Itaú Unibanco de focar em seguros massificados, tipicamente relacionados ao varejo bancário”, afirmou o grupo financeiro.
A conclusão da venda está sujeita a “cumprimento de determinadas condições previstas” no contrato e autorizações regulatórias.
No início de agosto, o Itaú Unibanco reduziu a expectativa para o crescimento das receitas com serviços e resultado de seguros, que caiu para 4 a 7% ante estimativa de alta de 6 a 9%.

Fonte http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2016/09/itau-unibanco-vende-area-de-seguros-de-vida-em-grupo-para-prudential-20160919093004506065.html
Da Reuters

Read More
RJ – Servidores e pensionistas estão sem margem para empréstimos

RJ – Servidores e pensionistas estão sem margem para empréstimos

Há casos relatados em que o funcionário foi avisado pelos gerentes das instituições financeiras nas agências de que ele está com a margem consignável negativada pelo estado

Rio – Não bastasse o atraso dos salários que atormenta a vida do funcionalismo estadual nos últimos meses, servidores e pensionistas têm sido surpreendidos ao tentarem pegar empréstimos com desconto em folha nos bancos. Há casos relatados à coluna em que o funcionário foi avisado pelos gerentes das instituições financeiras nas agências de que ele está com a margem consignável negativada pelo estado mesmo sem nenhum contrato assinado para ter o crédito na conta.
http://ejesa.statig.com.br/bancodeimagens/ad/ih/o8/adiho84wqot1qinpoidyg5xu8.jpg
Além de atraso no salário, servidores estão sem margem para pegar empréstimos
Reprodução
Muitos servidores apelam para o empréstimo consignado por conta do atraso nos vencimentos. E fazem do consignado, que têm juros mais baixos, a tábua de salvação para poder honrar os compromissos.

Questionada pela coluna, a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag) reconheceu que ocorreram situações de negativação. A pasta informou que “devido à publicação do Decreto 45.563, de 27 de janeiro de 2016, que reduziu a margem consignável a 30% da remuneração do servidor, foram realizados ajustes no Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH), que ocasionaram alguns problemas no cálculo das margens”.

A secretaria esclareceu, no entanto, que “os problemas foram corrigidos na folha de junho e, desde então, não foi verificada qualquer reclamação”.
RECLAMAÇÃO FORMAL

A pasta orientou os servidores que tiveram problemas a procurarem o Setor de Recursos Humanos de seu órgão de origem. A secretaria informou ainda que caso alguém tenha dúvidas sobre a margem consignável deve fazer reclamação formal no RH, “que encaminhará a solicitação à pasta”. “Caso esteja errada, a Seplag verificará e corrigirá no sistema”, informou por nota.

ATO NA PREFEITURA

Os médicos da rede municipal de Saúde de Duque de Caxias, na Baixada, aprovaram fazer atos públicos em frente à sede da prefeitura e unidades de atendimento. As manifestações ocorrerão, caso o resultado da audiência com o prefeito Alexandre Cardoso e representantes da Secretaria de Saúde não atenda às reivindicações dos servidores.

SALÁRIO PARCELADO

De acordo com o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed/RJ), que apoia o movimento dos médicos de Caxias, os salários estariam sendo parcelados e o município não teria implantado o Planos de Cargos e Salários. Os servidores querem ainda auditoria nas contas do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Duque de Caxias (IPMDC).

NOMEAÇÃO E POSSE

O Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) vai reunir na próxima terça-feira com o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso. Na pauta: nomeação e posse de 284 oficiais de cartório e 84 papiloscopistas formados na Acadepol e que aguardam convocação para trabalhar. O sindicato quer urgência no aproveitamento dos 400 investigadores aprovados no concurso de 2005.

Fonte http://odia.ig.com.br/economia/2016-09-18/coluna-do-servidor-servidores-e-pensionistas-estao-sem-margem-para-emprestimos.html
O DIA

Read More
Rio deve quitar nesta sexta repasses de consignado

Rio deve quitar nesta sexta repasses de consignado

itau_bradesco

 

O Estado do Rio vai quitar nesta sexta-feira, 16, metade dos repasses atrasados de operações de crédito consignado tomadas por seus servidores nos bancos, conforme apurou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O débito total em aberto supera os R$ 500 milhões e corresponde aos meses de março e abril, quando as contas do governo fluminense foram afetadas por arrestos. Enquanto isso, o Amapá começa a preocupar as instituições financeiras ao completar o segundo mês de atraso, segundo uma fonte.

Os bancos com maior exposição no Rio são o Bradesco, que detém a folha de pagamento, além do Itaú, que já respondeu pela folha no passado. Outras instituições como Santander e Banco do Brasil também estariam sendo afetadas, mas em menor proporção.

Recentemente, o governo do Rio, que pretendia abrir edital e arrecadar R$ 1 bilhão com a venda da folha de pagamento de seus servidores, estendeu o contrato com o Bradesco. Estado e banco assinaram um termo aditivo que ampliou até a metade de 2017 o contrato da folha de pagamento, o que representou a entrada de R$ 250 milhões aos cofres fluminenses.

No caso do Amapá, o atraso dos repasses de crédito consignado chegou a dois meses no final de agosto. O valor em aberto, conforme fonte, está em torno de R$ 40 milhões. O Estado deve os meses de julho e agosto, além de uma cifra residual de junho. A carteira total soma cerca de R$ 570 milhões.

Os grandes bancos estão entre os mais expostos no Amapá. O BB é responsável por 45% do total e já teria notificado o Estado de que considera a possibilidade, inclusive, de bloquear o convênio. Outros bancos como Bradesco, Itaú, Santander e instituições menores como o Pan (ex-Panamericano) também teriam exposição ao Amapá.

O problema de calotes ocorre em um segmento, até então, visto como de baixo risco para os bancos. Não por acaso, as grandes instituições travaram no passado disputas por folhas de pagamento de servidores públicos nos últimos anos.

Procuradas, as secretarias de Fazenda do Rio de Janeiro e do Amapá não se manifestaram. Os bancos citados também não quiseram comentar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/economia/20160916/rio-deve-quitar-nesta-sexta-repasses-consignado/413866

Read More
Bancos empurram cartão Elo e clientes reclamam

Bancos empurram cartão Elo e clientes reclamam

Cartões Elo
cartoes_elo
Cartões Elo: taxa mais alta cobrada de comerciantes pode justificar falta de aceitação
Marília Almeida Marília Almeida, de EXAME.com

São Paulo – Bradesco, Caixa e Banco do Brasil priorizam emitir cartões com a bandeira Elo, da qual são sócios, o que vem provocando queixas de clientes em sites como o Reclame Aqui.

O principal motivo de descontentamento com a bandeira, criada em 2010, é a falta de aceitação do cartão em estabelecimentos pelo país, o que provoca constrangimentos (e já gerou até memes). Surpreendidos com o cartão, clientes buscam mudar a bandeira do plástico para as líderes do mercado, Visa e MasterCard.

É o caso da professora Elza Mauricio Moreira, 61, que tinha um cartão com a bandeira Visa e aponta que o Banco do Brasil fez, sem motivo aparente, a troca para a bandeira Elo. Foi aí que começaram os problemas, conta Elza, que pede a troca do plástico ao banco para outro com a bandeira antiga.

“Percebi que o cartão não é aceito em muitos lugares. Alguns colocam cartazes, mas outros parecem disfarçar e acabam dizendo que a máquina que aceita o cartão está sem conexão. Não costumo andar com dinheiro e estou nervosa de tanto passar vergonha e ter de deixar as minhas compras no caixa”, desabafa.

Segundo estudo da consultoria especializada em varejo Boanerges & Cia, a prioridade que Bradesco e Banco do Brasil têm dado à emissão de cartões Elo explica, em parte, o avanço da bandeira no mercado, que já reúne 17,9% dos cartões de débito ativos no país. Antes, esses bancos costumavam impulsionar a emissão de cartões Visa Electron.

Mas apesar da participação da bandeira no mercado ter crescido, o número de transações registradas em cartões Elo ainda é baixo se comparado ao de concorrentes. “A falta de aceitação pode ser uma das justificativas”, diz Vitor França, consultor da Boanerges & Cia.

Procurado, o Banco do Brasil enfatiza que cabe exclusivamente ao cliente a decisão final quanto à bandeira de sua preferência e toda a rede de agências é frequentemente orientada a deixar clara a liberdade que os clientes têm em suas escolhas.

Já a Caixa diz, em nota, que “as reclamações são objeto de atuação do banco, em parceria com a bandeira, para verificar as condições de aceitação na cidade ou região indicadas pelos clientes e promover a rápida ampliação da rede credenciada”.

O Bradesco disse que segue uma estratégia de distribuição de cartões e que o cliente sempre tem a opção de solicitar o produto com a bandeira de sua preferência.

“O banco busca constantemente adotar medidas que aprimorem os serviços prestados, por isso todas as manifestações dos clientes são atenciosamente recebidas, analisadas e respondidas. Vale acrescentar que o Bradesco tem o selo RA8000 no Reclame Aqui, o que reforça o seu comprometimento com os clientes.”

Taxa alta pode ser barreira

Levantamento da Boanerges & Cia indica que a Cielo cobra uma taxa mais alta do que a média de mercado a comerciantes por cada transação com cartões de débito Elo. A cobrança poderia ser um dos obstáculos para a maior aceitação do cartão Elo até setembro do ano passado, quando a bandeira ainda era aceita somente em máquinas da Cielo.

No quarto trimestre de 2015, a credenciadora cobrava em média 1,6% nestas transações, enquanto a média do mercado era de 1,51%.
França, da Boanerges & Cia, faz a ressalva de que a taxa média é apenas um indicador, já que a tarifa varia conforme o tipo e porte do estabelecimento. “Uma credenciadora que atue em segmentos no qual as taxas são mais altas terá, naturalmente, taxas maiores”.

O comerciante William Herbert Mac Laren, 53, tem conta no Bradesco há mais de 10 anos, e sempre teve cartão de débito com bandeira Visa. Quando o seu cartão expirou, um funcionário do banco disse que o banco passou a emitir somente cartões com a bandeira Elo. William reclamou. “Como lojista, sei que o cartão não é aceito em muitos lugares porque a taxa cobrada é alta. Empurrar o cartão ao consumidor parece uma forma de pressionar os lojistas a aceitarem o cartão”.

Aceitação do cartão cresce

Desde que as regras para arranjos de pagamentos foram modificadas pelo Banco Central em setembro de 2015, a exclusividade do contrato entre Elo e Cielo foi encerrada. Desde então a bandeira passou a ser aceita também em máquinas da Getnet, Rede, BIN e Sipag.

Como consequência, a aceitação da bandeira deu um salto e praticamente dobrou, segundo dados da própria Elo. De acordo com a companhia, a rede de estabelecimentos que aceitam o cartão com a bandeira passou de 1,45 milhão em 2014 para 2,6 milhões este mês.

Ainda assim existe um espaço no mercado a ser preenchido, já que a estimativa é de que 3 milhões de estabelecimentos aceitem cartões no país, segundo informações da bandeira.

A partir de julho, o cartão da Elo também passou a ser aceito em compras no exterior por meio de uma parceria com uma rede americana. Desde então a bandeira é aceita em 185 países e mais de 39 milhões de estabelecimentos lá fora. A parceria também vale para compras em sites internacionais.

Quais são seus direitos

Ione Amorim, economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), diz que o consumidor não é obrigado a aceitar o cartão pelo qual não tenha interesse e que não tem aceitação consolidada, de acordo com o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor. “A prática é abusiva e pode ser considerada como venda casada”.

Ao realizar qualquer mudança em contratos de cartões, como troca de bandeira, por exemplo, o banco deve consultar o cliente, diz Ione.

Consumidores que se depararem com um cartão não solicitado da bandeira e a justificativa de que não pode ser trocado por outro deve registrar a queixa no Banco Central, além de sites como o Consumidor.gov.br e o Procon, que podem aplicar penalidades à instituição financeira, como multas.

Estabelecimentos que não aceitem o plástico devem deixar a informação visível de forma ostensiva e em local acessível, tanto em meios eletrônicos como ambientes físicos. “O comerciante não pode induzir o cliente a consumir e somente depois dizer que não trabalha com a bandeira. O cliente passará por uma situação constrangedora se não tiver outro meio de pagamento alternativo”, diz Ione.

Fonte http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/bancos-empurram-cartao-elo-e-clientes-reclamam

Read More
MG – Justiça anula contrato de empréstimo com juros abusivos

MG – Justiça anula contrato de empréstimo com juros abusivos

juro_abusivo

Cliente poderá pagar a dívida sem o acréscimo das taxas estipuladas pela financeira
A 5ª Unidade Jurisdicional Cível de Belo Horizonte condenou a empresa de crédito Crefisa a reformular a cobrança de um cliente. O juiz Elton Pupo Nogueira entendeu que eram abusivos os juros estabelecidos no contrato firmado entre as partes, portanto declarou a inexigibilidade do saldo devedor e determinou que o contratante pague somente o valor total do crédito recebido e sua correção monetária.

Em 2015, o devedor firmou dois contratos de crédito com a empresa, o primeiro de R$ 1.810 e o outro de R$ 1.209,63. Após a realização dos empréstimos, as taxas de juros fizeram com que as parcelas mensais crescessem excessivamente.

Segundo a Crefisa, as partes convencionaram livremente valores, taxas de juros, número e periodicidade das parcelas. A empresa argumentou ainda que não existe limitação legal para a cobrança de juros pelas instituições financeiras e que não há qualquer ilegalidade ou abuso no contrato.

Para o juiz, foi demonstrado que o consumidor ficou sobre-endividado com a assinatura dos dois contratos, estando assim em estado de perigo ou vulnerabilidade financeira. Por conta também dos juros abusivos, o acordo celebrado entre as partes tornou-se nulo.

Segundo o magistrado, não há dúvida de que no contrato entre uma entidade financeira e um cidadão há uma relação jurídica de consumo. “Por se tratar de relação jurídica com consumidor, a liberdade contratual e a autonomia das vontades das partes é restringida não só para proteção da parte mais fraca, mas também para proteção de todo o sistema econômico nacional”, afirma o magistrado.

O magistrado decidiu que o cliente deverá pagar somente o que recebeu a princípio, com incidência apenas de correção monetária desde a data da contratação. A contratada não poderá efetuar a cobrança de quaisquer tarifas ou encargos remuneratórios.

Essa decisão, por ser de primeira instância, está sujeita a recurso. Clique aqui para baixar a sentença.

Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG
Fonte http://www.tjmg.jus.br/portal/imprensa/noticias/justica-anula-contrato-de-emprestimo-com-juros-abusivos.htm#.V9wWmlsrLDc

Read More
Caixa, Santander e Bradesco lideram ranking do BC de reclamações contra bancos

Caixa, Santander e Bradesco lideram ranking do BC de reclamações contra bancos

Logotipos de Bancos

A Caixa Econômica Federal, o Santander e o Bradesco são as instituições que aparecem na liderança do mais recente Ranking de Instituições por Índice de Reclamações, divulgado pelo Banco Central. No topo do ranking, referente a julho e agosto, está justamente o banco público, com índice de reclamações de 16,69. Neste caso, são consideradas as instituições com mais de 4 milhões de clientes.

Pela metodologia do BC, este índice é calculado com base no número de reclamações consideradas procedentes, dividido pelo número total de clientes do banco e multiplicado por um fator fixo (1.000.000). No caso da Caixa, foram 1.364 reclamações consideradas procedentes em julho e agosto, numa base total de 81.683.644 clientes.

Na segunda posição entre os bancos que foram alvos de reclamações aparece o Santander, com índice de 15,86 (578 reclamações procedentes e 36.438.353 clientes). Na terceira posição do ranking está o Bradesco, com índice de 15,75, resultado de 1.464 reclamações procedentes numa base de 92.939.302 clientes.

Na sequência do ranking, ainda considerando os bancos e as financeiras com mais de 4 milhões de clientes, aparecem Itaú Unibanco (índice de 15,18), Banco do Brasil (9,52), Banrisul (9,45), Votorantim (5,63), Midway (1,48), Pernambucanas (0,23) e Banco do Nordeste (0,17).

O ranking principal divulgado nesta quinta-feira, 15, que passou a ser bimestral, trouxe mudanças na forma de organização das instituições. O BC já havia informado que a base de clientes para formulação do ranking passaria a contemplar operações iguais ou superiores a R$ 200. Antes, a base era de R$ 1 mil. Ao mesmo tempo, as instituições foram organizadas levando-se em conta o parâmetro mínimo de 4 milhões de clientes.

Com isso, instituições como BMG e Banco Pan, que figuravam no ranking antigo, passaram a aparecer em outro ranking, de instituições com menos de 4 milhões de clientes. Neste caso, a liderança é do Daycoval, com índice de reclamações de 92,90. Depois aparecem CCB (88,34) e BMG (84,61).

Motivação.

Entre os assuntos que mais motivam reclamações por parte dos clientes, o campeão é a “oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada”. Ao todo, de acordo com o BC, este assunto gerou 768 reclamações com indícios de descumprimento das regras em vigor.

Na sequência dos assuntos mais reclamados aparecem “outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações” e, em seguida, “irregularidades relativas a operações e serviços relacionados a cartões de crédito”.

Fonte http://istoe.com.br/caixa-santander-e-bradesco-lideram-ranking-do-bc-de-reclamacoes-contra-bancos/

Read More
BC ameaça regulamentar Fintechs caso haja riscos ao mercado financeiro

BC ameaça regulamentar Fintechs caso haja riscos ao mercado financeiro


Ao se dizer favorável às inovações tecnológicas e afirmar que ” se prepara para lidar com o desafio de acompanhar as transformações, ao mesmo tempo em que oferece estímulos às instituições financeiras locais para que permaneçam na fronteira de seu desenvolvimento”, o Banco Central do Brasil garantiu que, “caso se identifique a necessidade de intervenção regulatória, o BCB estará pronto para adotar tempestivamente as medidas necessárias para a manutenção da estabilidade do SFN, do SPB e do mercado de câmbio”.

Embora alegue que reconhece a “importância tanto do emprego de novas tecnologias”, lembrou que historicamente essas inovações tecnológicas tiveram a capacidade de alterar o estado de equilíbrio dos mercados. Citou como exemplo os telefones em relação aos telégrafos; os aviões, que encurtaram distâncias, a Internet que revolucionou o provimento de informações e serviços.

Lembrou ainda que tecnologias como o “distributed ledger”, cujo principal exemplo é o blockchain, têm provocado discussão na academia, no mercado e entre reguladores acerca de seus potenciais usos e impactos. da mesma forma entende que as soluções de e-commerce, desenvolvimento de infraestruturas e surgimento de carteiras eletrônicas são novidades que estão aparecendo no mercado de pagamentos.
“Inovações na oferta de crédito e em instrumentos de investimento por meio do uso de tecnologias modernas, como peer-to-peer lending e robo-advisor, respectivamente, complementam um mercado em ebulição, que se redescobre e se adapta às transformações”, afirma. Além disso, o BCB está de olho no mercado de câmbio, que também vem adotando novos modelos de negócio nos serviços financeiros para realização de operações, como em remessas internacionais, por exemplo. “Tais modelos envolvem o uso intenso de plataformas tecnológicas e de novas tecnologias, inclusive na captura e no cadastramento remoto de clientes”, destacou.
Fintechs

Para o Banco Central, as Fintechs têm se transformado nos mais importantes atores dessas transformações. Segundo a Autoridade Monetária, tais empresas aplicam as mais recentes tecnologias na adaptação de produtos e de serviços oferecidos no mercado financeiro, no lançamento de novas soluções e na provisão de serviços de mitigação e de gerenciamento de riscos de compliance para as instituições reguladas.

“De maneira consoante, o BCB encoraja o desenvolvimento dessas novas tecnologias no mercado financeiro, pois isso pode estimular a concorrência no mercado, o que impacta sua eficiência e possibilita a oferta de produtos a preços menores aos clientes, atingindo maior parcela da população”, explicou.

Por outro lado, o BCB disse que está “vigilante em relação à introdução de inovações na medida em que elas possam ter consequências sobre a solidez do sistema financeiro”. Para a Autoridade Monetária, essas novas formas de prestação de serviços implicam a necessidade de métodos atualizados de acompanhamento de seu emprego e de um marco regulatório tempestivamente aprimorado, de forma a garantir o regular funcionamento do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e das infraestruturas do mercado financeiro.

O Banco Central informou que tem comparecido nos diversos fóruns internacionais que buscam compreender e acompanhar essas inovações. No tópico do emprego de novas tecnologias nos sistemas de pagamento, o BCB compartilha conhecimentos no grupo de trabalho em inovações digitais do Comitê de Pagamentos e Infraestruturas do Mercado (CPMI), no âmbito do Banco de Compensações Internacionais (BIS); no grupo de trabalho conjunto também em inovações digitais formado pelo CPMI e pela Organização Internacional de Comissões de Valores Mobiliários (IOSCO); e no grupo de trabalho sobre tecnologias financeiras, no âmbito do Conselho de Estabilidade Financeira (FSB).

Em relação às inovações na forma de prestação de serviços e de desenvolvimento de arranjos de pagamentos, o BCB se faz presente no grupo focal sobre serviços financeiros digitais, no âmbito da União Internacional de Telecomunicações (UIT). No tocante ao sistema financeiro, o Comitê de Basileia de Supervisão Bancária (Basel Committee on Banking Supervision – BCBS), o Comitê do Sistema Financeiro Global (CGFS) e o Comitê dos Mercados (MC), os três no âmbito do BIS, também estão estudando o tema.

Essas informações constam do Relatório de Estabilidade Financeira do primeiro semestre, divulgado nesta quinta-feira (15), pelo Banco Central do Brasil.

Fonte http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=43506&sid=5
Luiz Queiroz

Read More
Banco é condenado a pagar R$ 30 mil por investigar vida financeira de gerente

Banco é condenado a pagar R$ 30 mil por investigar vida financeira de gerente

espionar

Os bancos não têm o direito de quebrar o sigilo bancário de seus empregados para investigar suas vidas financeiras. Em caso de movimentações suspeitas, o dever da instituição é simplesmente informar ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Por isso, a 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou que o Bradesco extrapolou os limites impostos pela norma legal ao quebrar sigilo de um de seus gerentes e chamá-lo para prestar explicações. Para a Justiça do Trabalho, a empresa expôs a dignidade e a honra de seu empregado, pois o fato chegava ao conhecimento dos outros funcionários da agência. O banco foi condenado a pagar R$ 30 mil ao gerente.

O relator do caso no TST, desembargador convocado Marcelo Lamego Pertence, explicou que o artigo 11, incisos I e II, da Lei 9.613/98 (Lei de Lavagem de Dinheiro) dispõe que as instituições financeiras deverão informar as movimentações financeiras que apresentem “sérios indícios” do crime de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos e valores. A Circular 3.461/2009 do Banco Central do Brasil, que fixa as regras para a prevenção e o combate às práticas de lavagem, determina que as instituições bancárias comuniquem ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) as operações superiores a R$ 10 mil feitas por seus clientes.

O relator destacou que há entendimento da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do TST quanto à inexistência de dano moral se demonstrado que a atuação da instituição bancária se deu de forma indiscriminada em relação a seus correntistas, e na estrita observância aos dispositivos da Lei 9.613/98. “Em tais circunstâncias, a instituição age por dever legal, não se configurando conduta de caráter fiscalizador ou punitivo dirigida apenas aos empregados”, afirma a decisão.

Assim, o desembargador convocado concluiu que o banco extrapolou os limites impostos pela norma legal, “cometendo ato ilícito, violando a intimidade do empregado, causando-lhe, com essa conduta, dano moral, passível de reparação, na forma do disposto nos artigos 186 e 927 do Código Civil”.

“Além de praticar uma conduta antijurídica, ao cobrar explicações acerca de movimentações extraordinárias, o banco não adotou nenhuma medida para evitar que tal situação constrangedora fosse conhecida por outros trabalhadores da agência”, ressaltou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

RR-78700-51.2006.5.17.0011

Fonte http://www.conjur.com.br/2016-set-11/banco-pagara-30-mil-investigar-vida-financeira-gerente

Read More
RJ – Governo do Rio desobedece ao STF e paga 70% da folha de agosto dos servidores

RJ – Governo do Rio desobedece ao STF e paga 70% da folha de agosto dos servidores

A Secretaria de Fazenda informou, no início da noite desta segunda-feira, que o Estado do Rio não conseguiu quitar 100% da folha de agosto dos servidores públicos. Foram pagos, apenas, 70% dos salários. O valor repassado ao funcionalismo foi de R$ 1,4 bilhão, de uma folha estimada em R$ 2 bilhões. Com isso, o governo do Rio descumpre determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de pagar seus servidores até o 3º dia útil.
Desta forma, o estado está sujeito a arrestos judiciais. Há a possibilidade que isto aconteça nesta terça-feira, para que o restante da folha seja quitada.
A Fazenda estadual cita que as pendências que restam ao governo serão quitadas “nos próximos dias”. O governo lembrou que, de acordo com calendário formulado no início do ano, os pagamentos podem acontecer até o 10º dia útil.
A obrigação em ter de quitar a folha até o 3º dia útil acontece em função de ação de reclamação da Federação das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado do Rio de Janeiro (Fasp) no Supremo. A Fasp questionou as mudanças nas datas do pagamento e conseguiu decisão favorável, tendo em vista o risco que os servidores do estado correm com seguidos atrasos.
Confira a nota da Secretaria de Fazenda na íntegra:
O Governo do Estado do Rio de Janeiro depositou, nesta segunda-feira (5/9), integralmente, os salários de agosto de mais servidores. Até o momento foi pago R$ 1,4 bilhão, o que corresponde a 70% do valor total da folha líquida de agosto, que é de R$ 2 bilhões. Os depósitos começaram na quarta-feira passada (31/8), quando o Estado pagou os servidores da área de Segurança, incluindo policiais militares e civis, bombeiros e agentes penitenciários. O Estado está concentrando esforços para quitar a folha de agosto nos próximos dias, obedecendo o calendário previsto inicialmente de até o décimo dia útil deste mês (15/9). Os valores serão depositados de acordo com a entrada de receita de tributos em caixa. As remunerações estão sendo pagas integralmente. Não há parcelamento da folha de agosto.
Leia mais: http://extra.globo.com/emprego/servidor-publico/governo-do-rio-desobedece-ao-stf-paga-70-da-folha-de-agosto-dos-servidores-20057252.html#ixzz4JUvaTQ7g

Fonte http://extra.globo.com/emprego/servidor-publico/governo-do-rio-desobedece-ao-stf-paga-70-da-folha-de-agosto-dos-servidores-20057252.html

Read More
Banco vai permitir que clientes abram conta usando selfie

Banco vai permitir que clientes abram conta usando selfie


O banco HSBC vai permitir que seus clientes usem selfies para abrir novas contas. O banco, visando agilizar e simplificar o processo de abertura de novas contas, permitirá que novos clientes se registrem com um autorretrato, que terá validade ao ser usado junto com outras informações da pessoa, presentes em um passaporte, por exemplo.

Os clientes poderão utilizar o recurso com selfies a partir de dispositivos Android e iOS. De acordo com Richard Davies, executivo do HSBC, o banco conseguirá ser capaz de abrir contas mais rapidamente com esse formato.

A tecnologia do HSBC será semelhante a do ‘Mastercard Identity Check’, que utiliza rastreamento facial para verificar contas de clientes. No método da Mastercard, quando um usuário tira uma selfie o sistema avalia a imagem com fotos de documentos oficiais e verifica a legitimidade da operação.
Via TheNextWeb

Fonte http://olhardigital.uol.com.br/noticia/hsbc-vai-permitir-que-clientes-criem-conta-atraves-de-selfie/61825

Read More
BA – Feirão terá imóveis novos com entrada parcelada em Feira e Salvador; veja simulações

BA – Feirão terá imóveis novos com entrada parcelada em Feira e Salvador; veja simulações

imoveis

A construtora MRV Engenharia está realizando evento em Feira de Santana, até o dia 31, quando vai chegar a Salvador

Feirão para Tudo é o nome do evento de vendas que a construtora MRV Engenharia está realizando em Feira de Santana, até o dia 31, quando vai chegar a Salvador. Na Princesinha do Sertão, o feirão acontece no interior do Shopping Boulevard e conta com imóveis de dois ou três quartos que podem ser adquiridos sem pagamento de sinal e entrada parcelada em até 36 vezes.

Segundo o diretor regional da companhia, Yuri Chain, um dos principais benefícios de um evento como este é a comodidade propiciada ao consumidor. “Quem está passeando pelo shopping, ou até quem mora perto do local, pode dar uma passada e conferir as ofertas. Também temos atendimento de corretores e correspondentes bancários da Caixa e do Banco do Brasil que fazem simulações de financiamentos”, diz.

Quem comparecer ao feirão poderá comprar imóveis prontos para morar, em construção ou na planta, a partir de R$ 89,9 mil.
Condições
Em Feira, a construtora tem quatro empreendimentos à venda: Parque Filipinas, Parque Fonte das Águas, Parque Florença e Parque Flora. São cerca de mil apartamentos disponíveis.

Entre os benefícios oferecidos, além da entrada parcelada em até 36 vezes, estão o financiamento da moradia em até 30 anos pela Caixa Econômica ou Banco do Brasil, a possibilidade de utilização do FGTS e as vantagens do programa Minha Casa Minha Vida.

“É uma linha de recurso mais barata. Pelo programa, os juros ficam abaixo da inflação”, conta Chain.
A partir do dia 1º de setembro será a vez de Salvador receber o evento. O feirão, que contará com 1.150 imóveis ofertados, acontecerá até o dia 15, no Shopping da Bahia.

Veja quanto pode ficar o financiamento da casa própria
Ainda que a Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA) não tenha divulgado os imóveis que estarão em oferta no Salão Imobiliário – entre 16 e 18 de setembro -, o CORREIO fez uma busca entre as incorporadoras e encontrou ofertas para Imóveis como o Residencial Terra Brasilis, em Camaçari, e o Residencial Vila Imperial, em Marechal Rondon, ambos empreendimentos da Construtora Tenda. Os dois, inclusive, contam com subsídios de R$ 20 mil do Programa Minha Casa Minha Vida.

Outra construtora que vai participar do Salão é a MVL Incorporadora, que está oferecendo condições especiais para o 5ª Avenida Residence, em Patamares. O empreendimento conta com unidades de 2 quartos e sai por R$ 415 mil. Funcionários públicos podem financiar até 90% e a entrada de 10% é dividida em até duas vezes. Para ajudar quem pretende adquirir um imóvel novo, a reportagem levantou uma simulação de planos de financiamento na Caixa Econômica de até 80% do valor dos imóveis.

Na amostragem, foram utilizados três valores diferentes:

Fonte http://www.correio24horas.com.br/single-economia/noticia/feirao-tera-imoveis-novos-com-entrada-parcelada-em-feira-e-salvador/?cHash=1832b749fe827f3ebf3783e2da18f8c4

Read More
BA – Prefeito de Curaçá é afastado suspeito de desviar mais de R$ 2 mi

BA – Prefeito de Curaçá é afastado suspeito de desviar mais de R$ 2 mi

Valor é referente às parcelas de empréstimos consignados concedidos aos funcionários


Se a denúncia for aceita, além de ter que devolver o valor, o prefeito poderá ficar preso, pegando de dois a 12 anos de prisão
Reprodução/Record Bahia

O prefeito do município de Curaçá, no norte da Bahia, foi denunciado pelo MPF (Ministério Público Federal) por desviar dinheiro de servidores municipais. Carlos Luiz Brandão Leite se apropriou de maneira indevida de recursos da CEF (Caixa Econômica Federal) referente às parcelas de empréstimos consignados concedidos aos funcionários da prefeitura. O desvio foi superior a R$ 2 milhões.

Os funcionários solicitavam o empréstimo, o dinheiro era descontado do contracheque, porém não era repassado para o banco. Ao perceber os atrasos no repasse, a CEF entrou em contato com a prefeitura e acabou descobrindo que, supostamente, o prefeito estaria se apropriando dos pagamentos.

Se a denúncia for aceita, além de ter que devolver o valor, o prefeito poderá ficar preso, pegando de dois a 12 anos de prisão e, também, de não poder exercer mais o cargo de prefeito.

Fonte R7 http://noticias.r7.com/bahia/prefeito-de-curaca-e-afastado-suspeito-de-desviar-mais-de-r-2-mi-17052016

Read More
SP – Vigilante perde quase R$ 3 mil ao tentar fazer um empréstimo em SP

SP – Vigilante perde quase R$ 3 mil ao tentar fazer um empréstimo em SP

ESTELIONATO

Mais um cidadão ouropretense caiu na conversa de estelionatários e acabou perdendo R$ 2.730,00 que depositou achando que receberia de volta, junto com o valor de R$ 3 mil que pretendia tomar emprestado de uma financeira localizada no Estado de São Paulo.

Imaginando que estava negociando o empréstimo de R$ 3 mil com a empresa Adel Financeira que faz empréstimo para negativados, e fica localizada na capital paulista, o vigilante de iniciais U.N.J, de 30 anos, provavelmente se envolveu com golpistas profissionais que utilizam dados com endereço e CNPJ de empresas que fazem empréstimo consignado.

O vigilante relatou na Delegacia, que pessoas, provavelmente se passando por funcionário da empresa solicitaram no dia 18 de abril ele depositasse a quantia de R$ 300,00 para uma corrente de uma agência da cidade de Ribeirão Preto, em nome de Andressa Cristina Paixão de Sá. Após o primeiro depósito, foi solicitado ao vigilante que efetuasse mais três transferências nos valores de R$ 650,00, R$ 800,00 e de R$ 980,00, todos na conta da favorecida do primeiro depósito de R$ 300,00, sob o argumento que esses valores seriam ressarcidos junto com o valor do empréstimo solicitado.

O vigilante efetuou as três transferências, mas na manhã desta terça-feira, recebeu outra ligação solicitando depósito no valor de mais R$ 810,00 e só então a vítima desconfiou que se tratava de um golpe, e resolveu procurar a polícia

Fonte http://www.rondoniagora.com/policia/noticia/2016/05/vigilante-perde-quase-r-3-mil-ao-tentar-fazer-um-emprestimo-em-sao-paulo.html

Read More
Ministério Público Federal denuncia oito por golpe do empréstimo

Ministério Público Federal denuncia oito por golpe do empréstimo

MPF
Entre os acusados estão servidores da Prefeitura de Limeira do Oeste, no Triângulo Mineiro, que tinha acesso a operações bancárias da Caixa Econômica Federal. Golpe já casou prejuízo de R$ 10 milhões

Landercy Hemerson
Oito pessoas foram denunciadas por fraude de R$ 10 milhões em empréstimos consignados na cidade de Limeira do Oeste, no Triângulo Mineiro. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais, o golpe milionário foi arquitetado e desenvolvido por servidores públicos do município mineiro, que tem 6.890 habitantes (Censo IBGE 2010), e fica a 835 quilômetros da capital mineira.

Como na cidade não há agência bancária, a Prefeitura de Limeira do Oeste realizava operações bancárias por meio de convênio com agência da Caixa Econômica Federal de Iturama, na mesma região, onde foram descobertos os empréstimos fraudulentos. As operações financeiras, firmadas por meio da folha de pagamento da Prefeitura de Limeira do Oeste, despertou suspeitas dos funcionários da agência bancárias.

Ao analisarem a documentação, os funcionários da Caixa de Iturama constataram que a quase totalidade dos beneficiários dos empréstimos tinham vínculos trabalhistas em outros municípios. E os valores disponibilizados pelo banco eram sacados na “boca do caixa”, em vez de serem transferidos para as contas-correntes daqueles que pediram o empréstimo consignado, o que é padrão nessa modalidade de crédito.

As investigações revelam um esquema criminoso que funcionou por pelo menos três anos, entre 2012 a 2015, e favoreceu mais de 140 pessoas, com prejuízos de R$ 10 milhões. De acordo com o MPF, a quadrilha era organizada e estruturada em três núcleos principais: o do setor de Recursos Humanos da prefeitura municipal, o dos aliciadores e o dos fornecedores de dados.

Segundo a denúncia do MPF, três servidores do RH da prefeitura tinham amplo acesso ao sistema de pagamentos, dos dados de todos os servidores municipais e dos documentos necessários para a concessão dos empréstimos. O trio então atuava na confecção de documentos falsos para a obtenção indevida de consignados em seus nomes, dos aliciadores e, principalmente, de outras 144 pessoas beneficiadas pela fraude, a maioria não servidoras municipais de Limeira.

Os sistemas também eram manipulados para que o município de Limeira do Oeste arcasse com o pagamento das parcelas dos empréstimos indevidos. O dinheiro era sacado no banco pelos golpistas e, a cada mês, as parcelas eram pagas exclusivamente pela prefeitura. O prejuízo aos cofres públicos municipais já soma R$ 2.859.221,77.

Os acusados vão responder pelos crimes de estelionato qualificado (artigo 171, § 3º, do Código Penal), organização criminosa (artigos 1º e 2º da Lei 12.850/13) e inserção de dados falsos em sistema de informações (artigo 313-A do CP). O MPF também pediu que eles sejam condenados solidariamente a reparar os prejuízos causados pela prática criminosa, com juros e correção monetária.
(RG)

Fonte http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/05/23/interna_gerais,765570/ministerio-publico-federal-denuncia-oito-por-golpe-do-emprestimo.shtml

Read More
RS – Feirão da Caixa supera R$ 1,1 bilhão em vendas

RS – Feirão da Caixa supera R$ 1,1 bilhão em vendas


Natasha e Machado fecharam a compra de seu primeiro imóvel
FREDY VIEIRA/JC
Adriana Lampert

Mais de R$ 1,1 bilhão em negócios foram fechados durante os três dias da 12ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria, em Porto Alegre. O evento superou as expectativas não só de negociações, mas também de público, que ultrapassou a marca de 15 mil visitantes. A maioria das negociações girou em torno do financiamento de habitação popular do programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) e das demais operações com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cujo teto no Rio Grande do Sul é de R$ 200 mil.
O subsídio do governo federal foi o atrativo para grande parte dos consumidores, a exemplo do metalúrgico Emerson Machado e da namorada Natasha Biazoli. Eles adquiriram uma casa na planta, com entrega prevista para março de 2017, em um condomínio fechado localizado no bairro Granja Esperança, em Cachoeirinha. “O valor do imóvel passou de R$ 170 mil para R$ 138 mil. Estamos muito felizes de ter o financiamento aprovado”, afirmou Natasha, que é estudante de Direito. “Agora, é aguardar 20 dias, quando iremos assinar o contrato de compra com a Caixa.”
“Esta edição foi basicamente focada em atender à demanda de famílias com renda bruta intermediária de até R$ 6,5 mil”, comenta o superintendente Executivo de Habitação da Caixa Econômica Federal (CEF), Anderson da Cunha Possa. A maioria dos 15,5 mil imóveis em oferta se enquadrou na categoria popular, que, além de poder utilizar o subsídio do governo federal de até R$ 25 mil (pelo Minha Casa Minha Vida), tem as taxas de juros (que variam de 5% a 8%) mais baixas e podem ser financiados em até 90%.
Para imóveis acima de R$ 200 mil, o financiamento cai para 80%, e o juros variam de 10% a 12%. “Cerca de 90% dos nossos produtos são destinados à habitação popular, localizados em Porto Alegre, Cachoeirinha e Canoas”, afirma o gerente comercial da Bolognesi, construtora que comercializou 200 imóveis durante os três dias de evento, alcançando um VGV (valor geral de vendas) de R$ 30 milhões. O superintendente da CEF explica o bom desempenho do evento: “Não houve desaquecimento de demanda nesta faixa de valores. Prova disso é que, neste ano, a visitação foi maior que em 2015, quando 11 mil pessoas compareceram durante os três dias de feira”.
No total, 35 construtoras, 33 imobiliárias e 37 correspondentes imobiliários da Caixa ocuparam os estandes do Centro de Exposições da Fiergs, onde ocorreu o Feirão. “A maioria destes parceiros afirmou que a finalização de negócios dentro da feira também foi maior que no ano passado”, destaca Possa. As ofertas incluíram 28 empreendimentos novos, de um total de 12,5 mil imóveis zero e 3 mil usados. “Estamos captando bastante clientes, mas a maioria não está comprando no ato, porque o padrão dos nossos imóveis em prateleira é de médio a alto”, comenta o corretor da Imobiliária Foxter, Leandro Padrax, ao destacar que a empresa preparou descontos especiais para o Feirão. “Os imóveis de médio padrão estavam com descontos de mais de R$ 100 mil”, exemplifica.
Confirmando que o mercado de habitações populares se mantém aquecido, a diretora Comercial da MRV, Lilian Tavares, comemora: “Somente neste domingo, vendemos mais de 50 unidades”. A incorporadora esteve presente no Feirão com mais de 3 mil imóveis localizados em Porto Alegre e Região Metropolitana.

Indecisos aproveitam para pesquisar preços e oportunidades

Apesar do elevado número de vendas, nem todos os consumidores que circularam pela Fiergs decidiram fechar negócio no evento. Alguns estavam inclusive estreando a busca por ofertas para a compra de uma casa própria dentro da feira. Por volta das 16h de domingo, a servidora pública da prefeitura de Porto Alegre, Graziela Severo da Silva, chegou ao centro de exposições acompanhada do marido e da filha buscando encontrar um imóvel com valor até R$ 160 mil. “Nossa renda familiar é de R$ 5 mil e ainda moramos de aluguel. Mas hoje vamos só dar uma olhada, pois queremos pensar bem, para não assumir uma parcela muito alta.”
O advogado Remo Valim também preferiu ponderar. Ele e a esposa Marta foram à Fiergs na tarde de ontem para procurar um apartamento para a filha Vanessa Valim, de 33 anos. Mãe de duas crianças, Vanessa é biomédica e conta com renda familiar de R$ 6 mil. Procurando um imóvel na faixa de R$ 200 mil, a ideia da família era aproveitar o subsídio do Minha Casa Minha Vida. “No entanto, os apartamentos desta faixa são um pouco mais distantes, teremos que ir no local para verificar a estrutura antes de decidir comprar”, explica o pai da biomédica. “A ideia hoje é pesquisar. Queremos comprar em breve, mas não será hoje”, afirma Valim, que sempre adquiriu imóveis a longo prazo. O trio chegou no Feirão às 10h de domingo e percorreu praticamente todos os estandes espalhados em 2,4 mil m². “Tem bastante imóvel bom, mas tem que aliar o preço à distância. Ainda vamos pensar melhor.”
CEF deve injetar R$ 90 bilhões em financiamentos durante 2016

Considerado o maior do ramo imobiliário, o Feirão da Caixa acontece também em outras 13 cidades do País, até junho de 2016. Na edição de Porto Alegre, a instituição manteve um espaço com dezenas de funcionários especializados em crédito habitacional para ajudar os consumidores a realizar uma simulação, com base nos documentos. “A partir da renda da família, fica mais fácil decidir qual imóvel é mais adequado”, lembra Possa.
Além do espaço de triagem, a instituição esteve presente com outros dois estandes: Caixa Seguradora, oferecendo serviços de seguro comercial e residencial; e Caixa Imóveis, com oferta de financiamento para compra de unidades retomadas por inadimplência ou entregues como garantia em operações com a Caixa. Conforme Possa, em 2015, a CEF injetou R$ 90 bilhões em financiamento habitacional no País.

Fonte http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2016/05/economia/500556-feirao-da-caixa-supera-r-1-1-bilhao-em-vendas.html

Read More
PE – Feirão da Casa Própria da Caixa termina com queda no número de contratos

Feirão da Casa Própria da Caixa termina com queda no número de contratos

Número de contratos firmados foi menor que em 2015 e renda total do evento foi a metade do que foi arrecadado em 2014


Foto: Reprodução/Caixa

O Feirão da Casa Própria da Caixa Econômica Federal, que se encerrou no último domingo (22) e aconteceu no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, não teve um resultado possitivo. O evento terminou com uma queda registrada no número de contratos firmados. O público, em torno de 22 mil pessoas, manteve a média das edições dos anos anteriores.

As construtoras e imobiliárias apostaram no financiamento do programa federal Minha Casa Minha Vida. No entando, o saldo foi menor que em 2015: cerca de 3.390 contratos. O volume de negócios, R$ 555 milhões, é a metade do contabilizado em 2014.

O Feirão da Casa Própria da Caixa Econômica Federal disponibilizou mais de 20 mil imóveis, dos quais 15.300 eram novos. Quem não conseguiu concretizar o sonho da moradia pode procurar qualquer agência do banco e negociar. O superintendente regional da Caixa, Paulo Nery, afirma que há, sim, um ganho neste tipo de evento:

Rádio Jornal
Postado por Rebeca Montenegro

Fonte http://radiojornal.ne10.uol.com.br/noticia/2016/05/23/feirao-da-casa-propria-da-caixa-termina-com-queda-no-numero-de-contratos-46696

Read More
Clientes de cartão Santander Free são lesados por mudanças nas regras de isenção de anuidade, diz PROTESTE

Clientes de cartão Santander Free são lesados por mudanças nas regras de isenção de anuidade, diz PROTESTE

Santander passou a exigir gastos de pelo menos R$ 100 mensais no crédito, em descumprimento à oferta inicial
Foto: DivulgaçãoSantander passou a exigir gastos de pelo menos R$ 100 mensais no crédito, em descumprimento à oferta inicial

O cliente do Santander que tem cartão Free foi surpreendido, no início do mês, pela prática abusiva de alteração unilateral das regras para utilização sem pagar anuidade. A PROTESTE Associação de Consumidores enviou ofício pedindo esclarecimentos ao banco e cumprimento da oferta, e orienta os consumidores lesados a buscar seus direitos, pois estão sendo desrespeitados vários artigos do Código de Defesa do Consumidor.

Caso você tenha sido lesado, a PROTESTE fornece um modelo de petição para acionar o banco, no Juizado Especial Cível. Basta entrar em contato pelo 0800-201-3900. Os associados podem registrar a queixa pelo próprio site da associação, no link www.proteste.org.br/reclame.

Antes, para se livrar da anuidade, era preciso usar o cartão todo mês e agora é exigido gastar pelo menos R$ 100,00. Todo mês em que não houver esse gasto no cartão, haverá cobrança de valor proporcional à anuidade, que totaliza R$ 270,00. Também foi extinto o programa de benefícios desse cartão de crédito, que possibilitava acumular pontos que poderiam ser trocados por milhas aéreas, para compra de passagens.

Na avaliação da PROTESTE, é importante buscar os direitos, pois trata-se de um grave descumprimento de oferta. A Justiça pode decidir que sejam declaradas nulas de pleno direito as cláusulas contratuais em desacordo com o CDC, como as que alteram as regras para usufruir da isenção da anuidade. Além das que impossibilitem a utilização dos pontos acumulados em trocas por passagens aéreas ou programas de milhagens.

Acesse nosso site e confira informações exclusivas sobre Direito do Consumidor: www.proteste.org.br/institucional

(Redação – Agência IN)

Fonte http://www.investimentosenoticias.com.br/financas-pessoais/orientacao-ao-consumidor/clientes-de-cartao-santander-free-sao-lesados-por-mudancas-nas-regras-de-isencao-de-anuidade-diz-proteste

Read More